Mãe na real, Pausa para um papo

Como sobreviver às demandas da maternidade

Imagem de Ketut Subiyanto no Pexels

A vida tá uma loucura, eu sei. Tem dias que as 24 horas parecem ter 48 de tanta coisa… Um dos efeitos do nosso atual cenário é a crise do cuidado. 41% das mulheres que seguem trabalhando remuneradamente dizem trabalhar mais na pandemia, assim aponta uma pesquisa feita pela Sempreviva Organização Feminista (acesse aqui).

Listei 5 ideias para uma maternagem mais leve e sem grilos, que, afinal, é tudo que a gente mais quer, não é? 😀

1//Tenha uma rede de apoio//
Aprendi que aceitar que não vou dar conta de tudo é um ato tão heroico quanto vestir a fantasia da mulher maravilha, fazer a criança se concentrar na atividade e sentir que meu dia rendeu bem. Para construir um ser humano é preciso de uma aldeia inteira.

Eleja uma, duas tias para te socorrer quando precisar fazer um trabalho ou ter aquele encontro com as amigas que há séculos você vem planejando. Quando teus pais moram longe, a rede de apoio fica ainda mais restrita, o recurso das tias, dos avós paternos também, são as salvações mais garantidas.

Atenção às possibilidades de uma nova pessoa para ajudar a cuidar da criança quando precisar nunca é demais. Na festinha dos amiguinhos da filha, surge aquele momento entre as mães, o que vale ficar na espreita se alguma delas tá precisando de um help com os filhos — dá pra negociar um dia ela ficar com as crianças e no outro você. Pode surgir também na conversa uma amiga com indicação de uma moça fofa, atenciosa, que é experiente com crianças e que gosta de brincar.

2//Faça algo por você//
Nem que para isso seja necessário madrugar, mas o lance é encontrar uma maneira de estar só por um tempinho, seja para se esticar na yoga, olhar a revista de traz pra frente e de frente pra traz, divagar na paisagem lá fora. Porque, é aquela coisa, chega uma hora que não temos da onde tirar para doar…

3//Aproveite a criança//
Criança é luz, e na loucura do dia a dia, mesmo que a gente não repare com toda atenção, ela salva o ambiente. E tem a criança de dentro da gente, né? (rsrs). Acho que quando temos esse lado de certa forma ativo o espírito de sobrevivência é maior. O psiquiatra e pesquisador Stuart Brown, fundador do The National Institute for Play (Instituto Nacional para o Brincar, em português), confirma: “Uma coisa muito peculiar sobre a nossa espécie é que fomos concebidos para brincar ao longo de todo o nosso curso de vida”, diz. Ele reforça que só temos a ganhar com os sinais de brincar: tom de voz, gestos corporais e expressões faciais.

4//Tenha uma rotina//
Vejo por aqui, quando a rotina é seguida, as coisas parece que fluem de forma mais tranquila. Isso é bom para a criança, que se sente mais segura, e para nós adultos, que temos a sensação de que a estrutura está garantida. Fora que quando eles dormem é a hora de relaxarmos, retomarmos a nossa própria conexão.

5//Esqueça os padrões das redes sociais//
Na era da vida “editável” no Instagram é meio que um ato natural se comparar. A jornada de cada mãe, de cada pai é única e a história que cada um escreve tem uma linha diferente. Mas vai lembrar disso na hora de rolar o feed?! O que não impede de se basear em algumas experiências dos outros para aprimorar o que você gostaria. Mas sem peso. O Instagram é excelente quando aproveitado como um meio de comunicação e informação. E que a gente nunca esqueça disso! 😀

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s