Mãe na real, Pausa para um papo

As bruxas sempre estiveram soltas

Imagem de Pexels

Hoje, dia 31 de outubro, é o dia das bruxas. A data tem raízes europeia e americana e tudo começou entre o século 15 e 18. Naquela época, houve uma grande perseguição cristã às mulheres sacerdotisas, parteiras e curandeiras que foram queimadas como bruxas nas fogueiras, e mortas de outras formas também.

Elas tinham conhecimento sobre remédios caseiros, eram enérgicas, entendiam de fertilidade e sexualidade. ⁣Todas essas atividades eram consideradas bruxaria por uma cultura extremamente galgada nos costumes da igreja.

Massacradas, estas mulheres estavam à frente da sua época e se destacavam na sociedade conservadora onde o homem precisava dominar o conhecimento. ⁣Ao contrário da figura corcunda, velha e má e de nariz pontudo, as mulheres consideradas bruxas eram vaidosas, cultas e bonitas.

E, por não andarem “na linha”, fugindo de seus papéis prescritos pelos puritanos, muitas delas eram queimadas, jogadas de penhascos, estranguladas.⁣ Um dos mais famosos julgamentos foi o das bruxas de Salém, em 1692.

A história aconteceu quando uma escrava, uma moradora de rua e uma senhora foram acusadas de causar uma doença grave na sobrinha e na filha do Reverendo de Salém. Cerca de 200 pessoas foram acusadas de bruxaria nesse caso, inclusive o ministro da igreja, sendo que das 19 pessoas consideradas culpadas e executadas por bruxaria 14 eram mulheres. ⁣

Este é só um episódio de caça às bruxas. O número de mulheres que perderam suas vidas por simplesmente assumirem sua identidade e não seguirem o padrão é de cair o queixo. Segundo a revista Superinteressante, só em Portugal foram executadas 40 mil pessoas (das quais 2 mil foram queimadas em fogueira) e, na Espanha, quase 300 mil mulheres foram condenadas e 30 mil mortas.

Fortes, com voz ativa, cultas, as bruxas eram mulheres feministas e que, infelizmente, tiveram que pagar um preço alto por sua independência. O fato é que a luta contra o patriarcado sempre existiu.

Em homenagem a estas Mulheres, a artista Fia Forsström escreveu:

“Não foram as bruxas que queimaram.
Foram mulheres.
Mulheres que eram vistas como:
Muito bonitas,
Muito cultas e inteligentes,
Porque tinham água no poço, uma bela plantação (sim, sério),
Que tinham uma marca de nascença,
Mulheres que eram muito habilidosas com fitoterapia,
Muito altas,
Muito quietas,
Muito ruivas (todas podem ser!),
Mulheres que tinham uma forte conexão com a natureza,
Mulheres que dançavam,
Mulheres que cantavam,
ou qualquer outra coisa, realmente.
Qualquer mulher estava em risco de ser queimada nos anos 1600.
Mulheres eram jogadas na água e, se podiam flutuar, eram culpadas e executadas. Se elas afundassem e se afogassem, eram inocentes.
Mulheres foram jogadas de penhascos.
As mulheres eram colocadas em buracos profundos no chão.
Por que escrevo isso?
Porque conhecer nossa história é importante quando estamos construindo um novo mundo.
Quando estamos fazendo o trabalho de cura de nossas linhagens e como mulheres.
Para dar voz às mulheres que foram massacradas, para dar-lhes reparação e uma chance de paz.
Não foram as bruxas que queimaram.
Foram mulheres.”

Texto – Fia Forsström

livros sobre bruxas

O Diabo em Forma de Mulher (Carol F. Karlsen)

O Livro da Bruxa (Roberto Lopes)

Calibã e a Bruxa (Silvia Federeci)

As Bruxas: intriga, traição e histeria em Salem (Stacy Schiff)

História da Bruxaria (Jeffrey B. Russell)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s