Bem-estar e beleza

Ansiedade, nervosismo e depressão em mulheres na pandemia

Foto de Francesca Zama no Pexels

Fiz uma enquete no insta do madre pra saber qual assunto eu deveria soltar essa semana por aqui, um mais pessoal sobre a maternidade ou um sobre a depressão em mulheres durante a pandemia.

Minha comunidade é só um bocado de gente e tô longe de ter aquele número enfeitando o perfil digno de causar inveja em qualquer um. Por menor que seja essa minha roda, dou ouvidos às minhas parças (e alguns parças) que param pra prestar atenção em mim.

E adivinha qual foi o resultado? Por um ponto, o tema depressão em mulheres ganhou! Não é pra menos. Logo quando iniciou toda essa catástrofe mundial, a Organização Mundial da Saúde (OMS) ressaltou o grande risco das mulheres em apresentar algum sofrimento psicológico associado ao isolamento imposto pela pandemia da Covid-19.

Manter o trabalho remoto, conciliar cuidados com a criança e a casa, fazer toda a rotina acontecer, tocar projetos, resolver as burocracias normais de uma vida e ainda gerenciar os sentimentos de mal-estar gerados por uma crise mundial de saúde é um teste de sobrevivência a qualquer ser humano.

Vamos combinar que esse “novo normal” (aliás, nem gosto desse termo!) é de deixar qualquer um a ponto de surtar?! Mas há um fato impossível de se negar: não é de agora que as mulheres carregam o mundo nas costas.

Segundo dados do IBGE de 2018, antes da pandemia as mulheres já dedicavam o dobro de horas semanais ao trabalho doméstico e/ou cuidado com pessoas comparando com os homens.

E, na atual conjuntura, o trabalho da mulher acabou se intensificando (chato admitir). A pesquisa O trabalho e a vida de mulher na pandemia (acesse aqui), feita pela ONG “Gênero e Número” e pela Organização Feminista “Sempreviva”, concluiu que 50% das mulheres passaram a cuidar de alguém na pandemia.

Fora isso tudo, a ONU Mulheres destacou também que 70% dos trabalhadores sociais e de saúde são representados por mulheres. Este grupo, no caso, além de expor diretamente aos riscos da Covid, quando chega em casa precisa lidar com todo o acúmulo de funções. Ou seja, é exposição ao estresse de tudo quanto é lado.

As pesquisas estão aí para comprovar teorias e deduções. Um estudo coordenado pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Estadual de Campinas, (clique aqui para ver), revelou que, as mulheres, das 40 mil pessoas entrevistadas no total, são as que mais relataram problemas no estado de ânimo com mais frequência.

O percentual das que sentem tristes/deprimidas durante a pandemia é de 50%. Já os homens, 30%. Mas não para por aí, nós também nos sentimos mais ansiosas/nervosas com mais frequência do que os homens: são 60% contra 43% respectivamente.

Conversei com a Dra. Valéria Bortolucci, psicóloga e integrante de equipe do ambulatório da UNIFESP, para saber mais como o atual cenário em que estamos vivendo pode afetar a saúde mental e emocional da mulher e como a depressão pode ser detectada e tratada. Fica aqui pra ler meu papo com ela! 🙂

1- Com a sobrecarga de tarefas em casa durante a pandemia, as mulheres estão mais exaustas em todos os sentidos, mental, emocional e físico. Como elas podem trabalhar esta questão para que esse quadro não se torne uma doença como ansiedade ou depressão?
Dra Valéria Bortolucci – É necessário, em primeiro lugar, respeitar os próprios limites e contar, se possível, com o companheiro ou marido na divisão das tarefas. Com acúmulo das atividades como limpeza da casa, acompanhar o estudo dos filhos nas aulas online, muitas vezes tendo que trabalhar em home office, é importante estabelecer uma rotina.

Organizar as tarefas de acordo com as prioridades, com horários certos para refeições e estudo, e, principalmente, estabelecer pausas e intervalos para atividades que deem prazer como caminhadas, exposição ao sol, nem que seja na varanda, ou mesmo brincadeiras com os filhos e as pessoas da casa.

Sono regrado, exercícios físicos, meditação ajudam muito. Recorrer à psicoterapia, quando necessário, tem se mostrado muito eficaz na redução dos índices de estresse e ansiedade, já que podemos contar com o atendimento online neste momento de distanciamento social.

2- Quais são as causas que levam a depressão?
V.B.– As causas são muito complexas. Passam pela alteração de neurotransmissores, cerebrais, uma série de coisas.

Mas as principais delas são: em primeiro lugar genética, quando uma pessoa tem pai, mãe depressivos aumenta a possibilidade em duas vezes de ter um episódio depressivo ou quando tem os avós também cresce essa probabilidade em três vezes.

Outra causa importante são momentos estressores na vida da pessoa, principalmente na infância, como perdas ou negligência dos cuidadores, ou algum abuso físico (violência) ou sexual.

Outros motivos são: uso de álcool ou drogas, sedentarismo e algumas deficiências de vitaminas ou hormônios pode causar isso principalmente nas mulheres. A elevação do cortisol, ou seja, quando a pessoa começa a ficar muito ansiosa, estressada, pode acabar caindo numa depressão também.

3- Como é possível evitar a depressão?
V.B.– Não é possível na maioria dos casos evitar a depressão, até porque as causas são muito complexas. O que ajuda, por exemplo, é a pessoa ter uma vida muito estressante e ser resiliente. Resumindo, a forma como ela encara os desafios da vida.

Mas, de um modo geral, não é possível evitar. No entanto, depois de um diagnóstico e início de tratamento, a pessoa pode conseguir notar quando ela está ficando mais depressiva. Começa com um isolamento, uma tristeza profunda, uma falta de energia, coisas que ela gostava de fazer e passa a não gostar mais.

É importante frisar que a depressão tem graus. Ela pode ser leve, moderada ou grave.

5- Como o tratamento é feito?
V.B.– Quando é uma depressão mais grave, pode entrar com uma medicação associada à psicoterapia. É muito importante praticar exercícios físicos, ler sobre o assunto, estar a par do que é uma depressão.

Outra coisa que é extremamente importante é o acompanhamento familiar no tratamento da pessoa diagnosticada com depressão. As mudanças bruscas de comportamento são muito importantes de serem detectadas. A pessoa precisa falar muito, se sentir acolhida.

6- Como consegue identificar que está entrando em depressão?
V.B – A pessoa com depressão tem a tendência à introspecção, de se fechar no quarto, não querer falar. Ela fica irritável ou apática. Também tem baixa autoestima, sente culpa, uma grande sensibilidade aos eventos negativos e esquece os pontos positivos da vida.

Se tiver algum componente de religiosidade ou espiritualidade também é muito importante. Nem sempre é possível evitar, mas, a partir do momento que a pessoa sabe que está com depressão, aí sim possível driblar as crises. É uma luta que exige muita garra pra sair da situação.

7- No caso da pré-disposição genética é possível identificar na infância?
V.B – Não necessariamente quando a pessoa tem uma pré-disposição genética a gente consegue observar na infância. A coisa pode eclodir mais tarde como também pode acontecer em qualquer momento (infância, adolescência e vida adulta).

Só que a coisa se agrava a partir da adolescência, pois nessa idade existe o risco do suicídio. Na infância, alguns dos sinais são a criança se retrair, se afastar dos amigos, ir mal na escola, ter dificuldade de aprendizagem. E se existir a pré-disposição genética tem que ter mais atenção.

Bem-estar e beleza

5 coisas que a ioga ensina

Imagem por Pexels

Oie, como estão?

Hoje o espaço aqui é pra falar do bem que a ioga faz na vida e mesmo com o isolamento social fico tão feliz de não ter encostado de vez o meu tapete.

Tudo bem que tem aquele dia que fico só flanando se faço ou não ioga e quando vejo as horas já passaram… e, admito, tô tentando pegar leve em não me cobrar quando deixo de fazer alguma coisa que me transmuta para outro espaço como é o caso da ioga.

Mas o fato é que aulas online desse tipo salvam de um possível caos iminente. Aliás, todo aquele preconceito de fazer ioga pela internet se dissipou. É claro que nada substitui a alegria de uma aula presencial, com a energia das pessoas vibrando numa mesma sintonia e você em contato com sua professora preferida.

Mas, já que é o que temos para hoje, dá pra tirar vários benefícios do que a internet põe pra jogo. E não é que até evoluir na prática é possível? Depois de mais de ano me torcendo e me virando pra lá e cá, entre aulas online e físicas, agora consigo fazer a postura do corvo (ou Bakasana para os mais íntimos)! :D.

Tudo bem que ainda pareço uma garça desconjuntada. Mass, já que quem tá me assistindo (objetos e móveis da casa, e claro, minha filha!) não vai me dedurar e nem rir em pensamento das minhas invertidas e posturas tentando chegar perto do que se assemelha com as asanas (posturas) de ioga, tá tudo certo! =)

1// SEM JULGAMENTOS
Uma das coisas lindas da ioga é que permite você olhar pra você de forma complacente, sem se autojulgar. É você com você, respeitando seus limites e se aceitando como tem que ser. O ego elevado não combina com ioga e competições e comparações não devem existir.

2// PACIÊNCIA COM OS PROCESSOS
Sempre fui de querer ver logo o resultado sem respeitar o tempo das coisas. E se tem uma coisa que a ioga faz é te mostrar que o processo é mais que necessário e tão importante (se bobear até mais) quanto a chegada. É durante o trajeto que se aprende e evolui. A conquista é só o resultado de uma dedicação intensa.

3//CUIDANDO DO QUE DÁ FÔLEGO
Ioga é encontrar conforto em uma posição desconfortável priorizando a respiração. É um exercício de autoconhecimento que ajuda no controle das emoções e dos pensamentos. Você começa a prestar atenção na forma como puxa e solta o ar e em que momento esquece dessa atenção plena e, de quebra, passa a notar o quanto a mente influencia na respiração.

4// CORPO É MEU TEMPLO
Seu olhar para o seu corpo parece que ganha uma lupa com grau maior e o papel de diretor do espetáculo, o qual ele [o corpo] nunca perdeu a função e por durante muito tempo não era visto assim, ganha o seu devido lugar. Limites, dores, emoções, limites são respeitados e trabalhados, você passa a se perceber no espaço e compreender a capacidade de cuidar de si.

5//ADEUS IMPULSOS
Essa experiência de introspecção durante a ioga faz a gente se voltar para várias questões que só vamos perceber no dia a dia o impacto. Impulsividade, empatia, autopercepção ganham um lugar ao sol. A sincronia entre posturas e respiração é uma atividade pra nos levar pro centro e ganhar, ao longo do tempo, maior controle sobre as emoções.

Um beijo e poder da ioga para todas nós!

Bem-estar e beleza

Como cuidar do estresse e buscar autoconhecimento

Imagem de Pexels

Os dias tem sido puxados, eu sei. E, já que estamos no final do ano, em vez de descer de uma vez ladeira abaixo bora segurar um pouco mais a onda e aproveitar a reta final desse ano tão atípico como uma oportunidade para se concentrar mais no nosso interior, cuidar das fraquezas inerentes à nossa natureza humana, se libertar de pensamentos e atitudes que nos fazem mal e vibrar coisas boas.

Essa jornada emocional e mental que estamos enfrentando é um verdadeiro teste de sobrevivência e já que estamos ainda ilhadas em casa o lema é “salvem-se quem puder”. Nessa toada de emoções e de cada um por si o jeito é buscar por conta própria o antídoto para essa loucura que foi se empilhando numa estante no decorrer de 2020.

Para montar a lista abaixo de como se livrar do estresse conversei com Chirles de Oliveira, com formação em psicologia positiva, praticante e estudante de mindfulness e dona da página (@felicidade_sustentável). Espero que ajudem vocês de alguma forma! 😀

RESPIRAR PARA RETOMAR
“As pessoas estão com muitas demandas e acabam sendo tomadas por suas atividades e isso causa um estresse constante. Sentir estresse não é algo ruim, é até importante porque ele pode nos impulsionar a fazer coisas, a questão é manter-se no estresse crônico e isso adoece qualquer ser humano.”, destaca Chirles.

“Nunca foi tão necessário como agora fazer pequenas pausas durante o dia”, o que ela chama de “pausas para a felicidade”. Durante o trabalho, Chirles recomenda parar por alguns minutos e fazer algumas vezes seguidas a respiração consciente (inspirar empurrando a barriga e expirar puxando a barriga, como se tivesse enchendo uma bexiga).

QUANDO A MÁQUINA PAUSA, ELA REALMENTE FICA PARADA, MAS QUANDO O HOMEM PAUSA, OBSERVA, ELE COMEÇA A CRIAR, A FLORESCER”, DESTACA CHIRLES.

OBSERVAR CURA
“Outra prática simples é apreciar alguma coisa que você tem na sua casa, você gosta e sente gratidão por ela.”, diz. Admirar uma planta, uma flor, um prato de comida, uma foto que traz memórias boas, observar o pôr-do-sol, a lua…, sugere Chirles.

“Essas pequenas ações que despertam a atenção plena para um olhar apreciativo são caracterizadas como savouring“, explica.

DISPOSIÇÃO PARA A FELICIDADE
“A gratidão é uma habilidade para a felicidade, é uma emoção positiva, e existem vários estudos da psicologia positiva que comprovam o quanto ela também nos traz bem-estar, satisfação e contentamento com a vida.”, diz Chirles. Por isso, ela recomenda todo dia antes de dormir anotar no caderno três coisas boas que aconteceram no dia, escrever o porquê foram positivas, quem participou e quais sentimentos foram despertados.

Por aqui, tenho meus rituais pra aliviar o estresse e renovar as energias, mas sempre é bom escutar um especialista no assunto pra trazer uma dica nova. Um podcast que tenho escutado muito é o Mercúrio Antroposofia, que propõe ampliar a consciência a partir de reflexões fundamentais da Antroposofia, ciência espiritual moderna com nome do grego que significa “conhecimento do ser humano”. Fundada pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner, é a base da pedagogia Waldorf. Recomendo os dois mais recentes episódios do podcast: Atitudes Anímicas e Coragem e Superação.

Bjs, se cuidem!

Bem-estar e beleza

Como lidar com a TPM durante a pandemia

“Lá vem você com seus larará lara. Laralauê larauê lará. Lará larauê…” Ela chega de mansinho e quando menos espera já se apossou do corpo. A Tensão Pré-Menstrual tem sido bem ingrata nesses tempos de confinamento. No grupo de WhatsApp eu e amigas sentimos uma na outra o ombro certo pra desabafar o desconforto desse espectro que dá o ar da graça mês a mês.

É uma espécie de estelionato que chega pra tirar da gente as poucas energias que restam, limpando a raspa do tacho que sobrou de uma vida com esperança e empurrando a gente ladeira abaixo pro limbo da impaciência e ansiedade. E se em algum momento eu achava que a calma não estava de todo perdida taí um engano quando dou boas-vindas para essa tal da TPM.

Não dá pra fingir que tá tudo bem. Dizer que é só uma TPM. É uma senhora de uma TPM enrustida. Aceito, que dói menos. Sendo assim, é melhor eu, no lugar de viver em pé de guerra com ela todo mês, puxar a cadeira, convidá-la a sentar e oferecer um chá. Abraçar os sintomas físicos e psicológicos dessa enxurrada de hormônios é assinar um termo de paz comigo mesma. Se é para baixar a poeira do caos que me habita, que assim seja.

Cultivar a paz de espírito — por mais que eu esteja com esse B.O. na outra mão — é tudo que mais quero neste momento. Vale meditar, fazer yoga. Vale também tirar a TV da tomada, escutar aquela play que levanta até defunto. Vale curtir a bad do jeito mais chinfrim como assistir aquele filme de comédia romântica que há meses te olha no feed da Netflix.

Tudo pra transferir o butim pra bem longe. Detalhe importante: beber bastante água para eliminar o que acumulou no corpo faz bem. Ficar em silêncio, ah que delícia… mas se de repente sentir vontade de falar com aquela amiga que é toda ouvidos, por que não mandar uma mensagem ou telefonar? E ter calma. Pois, embora pareça uma eternidade esse mix de sensações, tem hora marcada para ir embora e, quem sabe, na próxima visita ele pega mais leve.

95% das mulheres sentem pelo menos uma variação psicológica ou física no período da TPM

Bem-estar e beleza

Como cuidar da alimentação durante a gestação

Imagem de Janko Ferlic no Pexels

Olá, gravidinhas lindas!

Nós ouvimos vocês! E esse post foi pensando especialmente para as mamis que estão passando pela fase da gestação. Pois sabemos que pode ser difícil tentar manter a alimentação equilibrada tão recomendada pelos médicos, ainda mais nesse momento pelo qual o mundo está passando em que emoções podem ficar mais à flor da pele e a comida acabar servindo de válvula de escape. Por isso, conversei com a Dra. Patrícia Oliveira, que além de ser ginecologista e obstetra do Numa (Núcleo de Medicina Antroposófica — abordagem espiritual holística que apoia e complementa a medicina convencional) da UNIFESP, é um ser humano lindo e quem cuidou da minha gravidez — a quem serei eternamente grata 💕.

Vejam as dicas valiosas dela e comentem aqui o que acharam! 🙂

1 / / TENHA UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA
Normalmente quando a mulher engravida ela pensa “no que é proibido comer” e “ no que é necessário comer”, o ideal é encontrar um meio termo onde ela terá uma alimentação saudável e também prazerosa. Descobrir novos sabores e sair da monotonia alimentar pode ser um caminho interessante. O olfato e o paladar aguçados na gravidez podem fazer com que a gestante desgoste de alguns sabores conhecidos e reconquiste sabores abandonados.

2 // DIVIDA AS REFEIÇÕES EM PORÇÕES
A ansiedade pode estimular a vontade de ingerir carboidratos, a falta de tempo faz com que busquemos alimentos gordurosos como os “crocantes” e os finger foods e o home office faz com que fiquemos mais tempo sentados. Para evitar o desconforto e o ganho exagerado de peso, a grávida pode fracionar as refeições comendo pequenas porções várias vezes por dia, pelo menos em três delas ingerir uma boa fonte de proteínas, principalmente no terceiro trimestre da gestação. Evitar também petiscar na frente do computador e aproveitar a hora de se alimentar para se levantar, esticar as pernas e se movimentar é importante.

3 // INVISTA NOS ALIMENTOS DA NATUREZA
Na gravidez o mais importante é que alimentação seja equilibrada, evitando restrições calóricas e o consumo exagerado de alimentos industrializados. Na composição da dieta devem ter: cereais, proteínas (animais e/ou vegetais), verduras, frutas, legumes, tubérculos e castanhas.

4 // TENHA ATOS DE AMOR
Temos os 1100 dias mais importantes para sermos saudáveis durante toda a vida. São eles: 90 dias antes da mãe engravidar, 280 dias da gestação, 365 dias do primeiro ano de vida e 365 dias do segundo ano de vida, ou seja , a alimentação da mãe é por si um ato de amor. Quando a mulher se nutre com a intenção de transformar o seu alimento em saúde para o seu bebê é justamente isso que acontece. Fortalecer o vínculo materno fetal através da respiração e exercícios meditativos traz o enriquecimento desse relacionamento.

5// APROVEITE A GESTAÇÃO PARA MUDANÇAS
É muito importante que a mulher aproveite as possibilidades transformadoras da gravidez. Quando ela aceita essa missão de ser “criadora” dos elementos Universais, ela consegue driblar as dificuldades e adquirir nesse curto período de tempo um novo olhar sobre o mundo e consequentemente uma nova forma de viver.

Bem-estar e beleza

8 perguntas e 8 respostas sobre o sono e como melhorar a qualidade dele

Imagem Cottonbro

Desde que o isolamento social começou, há mais de 120 dias, tenho escutado de alguns amigos que não conseguem dormir direito. No meu caso, apesar de eu ter um histórico com o sono tranquilo (sou do time que se encostou, dormiu), tenho tido dificuldades em alguns momentos para dormir. Quando me observo, isso acontece mais quando fico nas telas (celular, TV e computador) até mais tarde ou quando a confusão dos hormônios da TPM resolvem bater à minha porta.

Uma pesquisa feita com 780 brasileiros pela The Bakery, empresa global de inovação corporativa, mostra que 44% dos entrevistados estão com mais dificuldades de dormir na pandemia. Não é para menos, o medo e a ansiedade associados à mudança de rotina repentina formam o combo causador de insônia.

E como lidar com esse mal que pode acabar com nosso humor, atrapalhar a produtividade e aflorar ainda mais os sentimentos de angústia? Conversei com a Dra. Helena Hachul, médica responsável pelo Setor Sono na Mulher do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (USP) e que atua no Instituto do Sono. Quem sabe a nossa conversa possa ajudar você a previnir episódios de insônia ou contribuir para ter de volta a qualidade do sono que te foi tirada.

1- Ansiedade e medo tem causado mais insônia nas pessoas. Quais são as recomendações do Instituto do Sono para que as pessoas melhorem sua qualidade do sono?
Dra Helena Hachul: Manter uma rotina de dia com horários definidos para acordar, dormir, se alimentar, fazer exercícios, trabalhar, descansar e desligar tv, computadores etc.

2- Existe um tratamento alternativo que possa se fazer em casa para trabalhar essa questão?
R: Os exercícios físicos são de fundamental importância tanto para a qualidade de vida como para a qualidade de sono. Procurar momentos de lazer mesmo na rotina de casa: ler livros, assistir filmes, estar em família também ajudam. Outras sugestões são técnicas de relaxamento como meditação e yoga.

3- Quais os impactos de uma noite ou várias mal dormidas?
R: Em geral, as pessoas dormem cerca de 6 a 8 horas por noite. Existem variações da normalidade. Os pequenos dormidores dormem cerca de mais ou menos 5 horas e ainda assim estão dispostos para as atividades do dia seguinte, enquanto os grandes dormidores precisam de 11 horas para estar bem no dia seguinte. Dormir menos que 4 horas e mais que 11 parece estar associado a problemas de aumento de risco cardiovascular e diminuição de longevidade. Pelo fato de o sono restaurar tanto a parte física quanto mental, se dormirmos mal, no dia seguinte teremos irritabilidade, déficit de memória, atenção e até diminuição de imunidade. Há mais chance de pegar infecções. Além disso, não havendo restauração física adequada, a pessoa passa a ter cansaço físico e sente-se indisposta para suas atividades habituais. Isso reflete na aparência. A falta de sono adequado também pode acarretar ganho de peso e alterações na pele. Ainda sobre sono e emagrecimento: durante o sono perdemos peso. Assim, o sono fragmentado favorece o ganho de peso.

4- A qualidade do sono impacta na imunidade? 
R: O sono restaura o corpo e a mente. A insônia ou privação de sono está diretamente relacionada ao aumento de cortisol e isso faz diminuir substâncias como as citocinas, relacionadas à defesa. Por isso dormir mal está associado a diminuição de imunidade.

5- No caso das mães, que estão sobrecarregadas, e que muitas vezes vão dormir tarde e acordam muito cedo para dar conta da rotina, o que a senhora recomenda? 
R: A mulher hoje vive cronicamente em privação de sono por não ter tempo para dormir. A dupla jornada, às vezes tripla (casa, trabalho e estudo), toma todo o seu tempo. Então, quando a mulher vai se deitar para dormir, vêm as preocupações que lhe roubam o sono: a insônia. Na realidade, a mulher sofre a somatória de efeitos da oscilação hormonal ao longo do ciclo menstrual somada à demanda exigente da dupla ou até tripla jornada de trabalho. Como resultado, vive uma sobreposição de privação de sono e insônia, pois no pouco tempo que lhe “sobra para dormir” não consegue pegar no sono. Essa é uma característica da condição biopsicossocial da mulher moderna. Para melhorar isso, é muito importante que haja uma divisão de tarefas na casa e seguir as recomendações escritas nas questões 1 e 7.

6- Para as grávidas, qual a importância de uma noite bem dormida?
R: O desgaste da concepção e da formação do bebê são grandes, por isso, toda grávida necessita mais de sono do que a população em geral. Se tiver vontade de dormir mais, fica mais um pouquinho na cama. A indicação é incluir um cochilo de uma hora no meio do dia e não passar muito disso para não interferir na qualidade do sono noturno. Nem toda grávida consegue por conta do trabalho. Nesse caso, a recomendação é arranjar um lugar para ficar com os pés para cima a fim de evitar o inchaço e relaxar um pouco. A melhor posição é a virada do lado esquerdo porque assim fica mais fácil a oxigenação da veia cava e, de preferência, colocar um travesseiro entre as pernas. É claro que a mulher não consegue manter a posição a noite inteira, mas, ao acordar, volte para a posição. Aquelas mulheres que engordaram muito, cerca de 20 quilos, têm muita dificuldade em encontrar uma posição confortável. A dica é recorrer a travesseiros e ir se ajeitando. Há casos em que a mulher só consegue dormir praticamente sentada no finalzinho da gestação.

7- Quais são os hábitos que a senhora recomenda para ter uma rotina de sono saudável?
R: Algumas dicas de higiene do sono podem ser úteis como procurar dormir sempre no mesmo horário dentro de uma rotina, não ficar “tentando” dormir, pois isso é ansiogênico, evitar refeições fartas à noite, bem como não assistir TV na cama. O quarto deve ser um ambiente escuro, com boa temperatura e silencioso.

8- Na pandemia, o que tem contribuído para insônia e por quê?
R: A falta de rotina e o medo são os principais itens que têm contribuído para o aumento da insônia. A falta de rotina por “dessincronizar com o dia”. Precisamos acordar e receber a luz do dia e, à noite, com a diminuição da luz, liberamos a nossa melatonina, que é o hormônio do sono. As pessoas, ficando mais em casa, não têm horário para acordar nem para dormir. Acabam, ao contrário, dormindo mais no período da manhã e, de noite, ficam assistindo TV ou usando celulares, tablets, etc, o que prejudica o ritmo de sono.

Bem-estar e beleza

Como cuidar da saúde em casa durante o home office a partir dos cinco sentidos

Imagem de Luke Pennystan para Unsplash

Vocês já ouviram falar em medicina integrativa? E mais, que ela pode ajudar aliviar sensações como de esgotamento, desânimo e ansiedade causados pela crise por qual estamos passando?

A prática médica busca olhar o paciente como um todo e de forma mais humanizada, levando em consideração a soma de aspectos que vão além da área biológica como questões emocionais, sociais, espirituais e história de vida dos pacientes.

Para nos ajudar a lidar melhor com as emoções, a Dra Patrícia Oliveira, ginecologista e obstetra do Numa (Núcleo de Medicina Antroposófica — abordagem espiritual holística que apoia e complementa a medicina convencional) da UNIFESP, escreveu um texto com dicas imprescindíveis. Olhem que interessante as orientações que ela dá relacionadas à medicina integrativa e que podemos aplicar no nosso dia a dia em casa.

 

Texto por Dra. Patrícia Oliveira

Em tempos “diferentes” como estamos passando, a necessidade de se reinventar tornou-se prioridade e o home office uma realidade, mas como fazer com que o trabalho em casa não seja mais um motivo para o estresse?

Reunindo dicas da medicina integrativa, como podemos amenizar os impactos da pandemia através do estímulo aos 5 sentidos? Vejam quais são elas:

OUVIR: Por um período conecte-se aos sons da natureza, pode ser sons gravados ou do próprio dia a dia. Pássaros, chuva, ondas do mar etc. Deite-se em uma superfície plana, feche os olhos e deixe se levar por alguns minutos no dia.

VER: Resgate fotos antigas de momentos felizes e espalhe-as pela casa (pode colar temporariamente pelo caminho onde você mais passa), coloque o computador sempre próximo a uma fonte de luz natural e no descanso de tela ponha uma paisagem bem bonita.

COMER: Pelo menos em refeição ao dia sente-se à mesa com todos que estão em casa, arrume a mesa bem bonita e prepare um prato familiar que traga boas lembranças. Busque a harmonia na hora de preparar os alimentos e evite as refeições corridas.

CHEIRAR: Antes de iniciar o trabalho abra as janelas da casa e deixe o ambiente bem arejado para a troca de odores, se sua casa não tiver boa ventilação use um ventilador por alguns minutos. Use aromas naturais das ervas em seus alimentos e se preferir use aromatizadores (sempre com óleos naturais) pela casa. Lavanda acalma, alecrim estimula e cítricos acordam.

TOCAR: Durma em tecidos macios, aqueça a cama com uma bolsinha quente na região dos pés antes de deitar, acaricie seu pet e faça autmassagens com óleos naturais.

Adaptar-se a períodos difíceis pode nos impulsionar a desenvolver várias estratégias de enfrentamento, então sempre é tempo de começar algo novo.

 

Bem-estar e beleza

Os benefícios dos óleos essenciais em meio à quarentena

oléo essencial com flores e sabonetes
Imagem Unsplash

Já há algum tempo eu ensaiava experimentar óleos essenciais — substâncias lipossolúveis e voláteis extraídas das células das plantas em forma de gotículas para ajudar no bem-estar e na saúde. Daí quando a pandemia veio à tona aproveitei a deixa para explorar as ações desses produtos de frascos tão pequenos que a gente chega a não dar nada, mas, pasmem, que podem carregar até 300 substâncias diferentes.

A prática baseada no uso de óleos essenciais tem o nome de aromaterapia, e, apesar de existir há milhares de ano, até hoje os cientistas estudam seus benefícios. Os efeitos positivos são tantos que o movimento do uso destes vidrinhos “mágicos” tem crescido entre pessoas que curtem opções de tratamentos naturais e em alguns centros médicos, que complementam tratamentos convencionais com óleos essenciais. É o caso do Hospital Europeu Georges Pompidou, na França, que utiliza os produtos em pacientes de cirurgias torácicas durante o pré e o pós-operatório.

Extraídos a partir do que existe de mais potente de dentro da planta, podem ser criados de uma única espécie ou se resultar de composições mistas. “Além de ajudar na harmonia do funcionamento do corpo, contribuem para uma boa saúde física, emocional e espiritual.”, diz Gislene Lemos, consultora dos produtos e aficionada pelo assunto. Ela faz questão de dizer que há um ano não frequenta mais prontos socorros. Atenta à saúde, continua fazendo seus exames periódicos e possui uma coleção desses blends em casa para qualquer tipo de sintoma.

Mas e aí, como a gente usa? Pode tomar e colocar umas gotas na água? Dá pra passar no cabelo? Pode na pele? Perguntei tudo isso pra ela porque sou curiosa e se não faço perguntas não sou eu.

Gislene diz que os compostos podem ser aplicados sobre a pele, por meio de massagens, banhos e compressas, adicionados em um difusor ou dependendo da função do óleo pode ser inalado direto do frasco, “o que potencializa a eficácia já que o nariz está associado à parte do nosso cérebro que controla as emoções”, diz.

Alguns podem ser até ingeridos. Neste último caso não são todos óleos essenciais que podem ser consumidos pela boca. Em tempos tão difíceis onde sensações de ansiedade, medo, irritação acabam sendo mais comuns, esta pode ser uma boa opção para buscarmos melhorar várias questões do corpo e da alma. Algumas mães assim como eu se renderam aos óleos e, embora eu seja nova no assunto, estou adorando o resultado!

Segundo Gislene, a aromaterapia para crianças pode deixá-las mais tranqüilas nesse período em que todo mundo fica mais agitado, além de ajudá-las a ter um sono mais tranqüilo, a ter mais foco e contribuir com o bom funcionamento do sistema imunológico.

Pensando nisso, separamos 4 óleos essenciais que podem ajudar nessa quarentena. 😀

Insônia e ansiedade

Um dos mais famosos, o óleo de lavanda tem toque amadeirado e doce ao mesmo tempo. Afeta diretamente o sistema emocional, nervoso e cardiovascular. É bastante indicado para melhorar o sono e baixar a bola no estresse. Aplico de uma a duas gotas no meu travesseiro e no da minha filha, é perceptível como o sono dela fica com mais qualidade.

Problemas respiratórios

Um deles é o Peppermint, mistura de pimenta com hortelã, com frescor maravilhoso. Indicado para casos de sintomas respiratórios, quando percebo que minha rinite atacou aplico uma gota nas mãos e aspiro.

Para amenizar o medo

O sálvia-esclaréia possui propriedades sedativas e calmantes. É recomendado inclusive para tratar desequilíbrios hormonais, problemas menstruais e circulatórios.

Harmonia do lar

Óleos cítricos como o de tangerina são os mais recomendados, segundo Gislene. Seu aroma refresca os sentidos, ajuda a acalmar a mente e de quebra eleva o humor, o que pode ajudar a criar uma atmosfera de felicidade, e quem não quer ficar assim na quarentena?!

 

 

Bem-estar e beleza

A pandemia da beleza natural

Sempre curti um batom cheguei. Vermelho fechado, vermelho aberto, roxo, quanto mais pigmento, melhor ainda. Tenho essa ideia de que é uma ferramenta que confere um poder mais a nós mulheres, dá uma sensação de “eu estou segura de mim”, sabe?

Mass esses tempos em casa malemá ando passando um hidrante labial. O negócio tem sido lavar e hidratar bem o rosto, sem muita firula mesmo.

Imagem Kira Gyngazova (@kira.gyn)

Recentemente, a @exame publicou a matéria “o fim do efeito batom?” (clique aqui para ler) na qual mostra que o segmento de beleza deve ter uma retração por conta da crise de 2,5%, segundo a consultoria de inteligência de mercado Kline. Apesar dessa análise, um relatório da L’Oréal revelou que o setor de produtos para a pele aumentou 13%.

O fato é que a falta de interação social anda nos fazendo mudar certos comportamentos e usar menos coisas que sufocam a cútis é um deles, é o que ando percebendo. O importante é pele saudável e bem hidratada. Afinal, pra que pintar os lábios se agora temos um novo acessório de beleza — a máscara — que esconde a boca ahahah?

Esse perspectiva do mercado em relação à queda sobretudo de produtos de maquiagem como o batom vai na contramão da teoria de Leonard Lauder (presidente da Estee Lauder), que afirma que em tempos de incerteza financeira em vez dos consumidores (neste caso femininos) comprarem um artigo de luxo de maior custo como uma bolsa ou um sapato se voltam para os produtos mais baratos, como os cosméticos e o batom, o que possibilitam a gente se sentir atraente e proporcionam um sentimento de bem-estar.

A partir dessa teoria, Lauder criou o lipstcik index, indicador que por meio de estatísticas evidencia o aumento nas vendas de cosméticos (como o batom) em momentos de crises econômicas ou recessões. A expressão ganhou o ar da graça dias após o atentado de 11 de setembro, que, segundo a grife de beleza, as vendas do produto dispararam em um período onde as pessoas sofriam os impactos do ataque terrorista.

Hoje o nosso novo batom para ir às ruas ganhou versão em tecido colorido e estampado. E já que não tem outro jeito, bora se jogar nas oncinhas, zig-zag, poás, cores e afins, não é? Os olhos ganham até um brilho a mais com esse novo acessório, cês não acham? Bota um rímel bem pã, mas se quiser aparecer na live mais tcham mergulha na boca cheguei que continua valendoo.

A Zara britânica percebeu essa mudança das mulheres na forma de se olhar no espelho e quis mostrar em época de pandemia o poder da naturalidade em um ensaio pouco usual. Enviou as roupas da coleção nova para a casa de cada modelo e propôs que elas produzissem tanto seus próprios looks quanto suas fotos com o rosto bem fresh (veja a matéria na @marieclairemag aqui).

Ensaio da coleção da Zara com modelos em casa

Viva a beleza natural – assim agradece a pele! E vcs, como estão lidando com os cosméticos? Também tão na vibe fresh skin?

Bem-estar e beleza

7 perguntas e respostas sobre o sistema imunológico em época de pandemia

Imagem Unsplash

Conversei com a Doutora Patrícia Alves de Oliveira, ginecologista e obstetra do Numa (Núcleo de Medicina Antroposófica — abordagem espiritual holística que apoia e complementa a medicina convencional) da UNIFESP, para saber como podemos garantir uma saúde de ferro a nós e aos nossos filhos nesses tempos difíceis da síndrome COVID-19. Acompanhem por aqui:

1- Pessoas com boa imunidade tem menos chances de contrair a síndrome Covid-19?

Dra. Patrícia Alves de Oliveira – Pessoas com resposta imunológica adequada tem menor chance de desenvolver formas graves da COVID-19. No entanto, estudos apontam que o aumento da exposição ao vírus parece aumentar o risco de desenvolvimento das formas graves independente da imunidade. Portanto é necessário um conjunto de boas práticas: manter a imunidade através de nutrição e sono adequados e prevenir a contaminação pela higienização (principalmente das mãos) e isolamento social.

 2- Em quais situações a imunidade pode ficar mais baixa?

Quem usa medicações imunossupressoras (para tratar doenças autoimunes, no pós-transplante ou na quimioterapia) diminui a capacidade do sistema imunológico reconhecer e elaborar um “ataque “ antes do agente se aprofundar. A diabetes também causa isso.

Na gravidez as células do sistema imunológico ficam mais lentas porque se elas fossem ágeis a mãe reconheceria o bebê como um corpo estranho e o expulsaria. Por isso, gestantes são grupo de risco. Mas no coronavírus, por algum motivo, essa fragilidade não é relevante.

3- Existe alguma forma das grávidas se prevenirem?
Apesar de gestantes serem consideradas grupo de risco não está evidente o aumento de contaminação e complicações como foi observado na H1N1. Mas gestantes tem um resposta imunológica menor e mais lenta e tem riscos do desenvolvimento de co-morbidade obstétricas como a pré-eclâmpsia, diabetes gestacional, etc. Isso aumenta a vulnerabilidade em mulheres grávidas. A forma de prevenção é a mesma orientada para a faixa etária com adicional atenção às gestantes que trabalham em locais que prestam serviços essenciais que devem ser deslocadas de postos com riscos de contato com pessoas contaminadas. Essa é orientação até agora, mas pode mudar a qualquer momento.

4- Como se deve cuidar do sistema imunológico?

O sistema imunológico se fortalece quando os ciclos são respeitados, ou seja, alimentos saudáveis em quantidades e horários corretos, horas de sono necessárias (nem a mais e nem a menos) e, se possível, associar a prática de meditação para compensar o excesso de exposição às informações durante o período de crise.

5- Existe alguma receita “caseira” comprovada para deixar o organismo mais forte e assim diminuir o risco do contato com a Covida-19?

Infelizmente não existe uma fórmula disponível com comprovação científica de aumento da imunidade. Há sim uma correlação clara de manutenção dos ciclos hormonais e imunidade principalmente  o controle adequado do cortisol (hormônio do despertar, do ‘estar alerta’) e a melatonina (responsável pelo sono). Deve-se ingerir carboidratos em quantidades adequadas, evitar substâncias tóxicas ao organismo presentes em alimentos processados e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas. Essas práticas ajudam a equilibrar a resposta inflamatória do organismo, o que resulta em melhora da imunidade.

6- Há algum alimento que pode contribuir para a melhora da imunidade?

A introdução de alimentos com propriedades antiinflamatórias na dieta, como o gengibre e o açafrão da terra pode favorecer a uma mudança no relacionamento com alimentos e ter como consequência uma mudança na resposta inflamatória, mas não podem ser considerados isoladamente uma proteção adequada. Vale sempre o conjunto de medidas protetivas.

7- Cientistas da Universidade de Turim, na Itália, divulgaram um estudo em que a vitamina D pode ser administrada como uma ferramenta para reduzir os fatores de riscos causados pela doença. Ela pode, de fato, ajudar no combate ao coronavírus?

A vitamina D tem ação comprovada na mediação da imunidade, mas inúmeras possibilidades devem ser avaliadas. A suplementação é indicada nos casos de deficiência e não como uma proposta de tratamento. Ainda são necessários estudos para estabelecimento de rastreamento  de deficiência e utilização da vitamina D na Covid-19.