A mãe no avião

A mãe no avião

Com as festas de fim de ano se aproximando, tudo começa ficar abarrotado, inclusive os aeroportos. Quem já viajou sozinha com o bebê sabe a aventura que é. E cumprir tal missão nessa época do ano é, digamos, levantar voo com um dose extra de adrenalina rs. Por isso, queria compartilhar algumas dicas para ajudar os pais no avião e, quem sabe, tornar a viagem menos caótica para todos que estiverem por perto.

Foto por Paul Hanaoka/ Unsplash
  • Estar com um bebê sozinha espremida em um avião é estar sujeita à ter de lidar com alguns imprevistos como, derrubar suco no próprio colo ou no do vizinho enquanto segura o baby, se equilibrar durante a troca de fralda em meio à instabilidade do avião no ar ou distrair a criança que não para de chorar. E para que a experiência seja menos traumática possível, ofereça a sua mão para segurar alguma coisa que a mãe esteja precisando (nessas horas nós mães deveríamos ter pelo menos mais um braço, igual superes poderes que você aciona quando precisa);
  • Se perceber que o neném não para de jeito nenhum de reclamar talvez um distração a mais pode deixar ele mais tranquilo. Faça barulhos diferentes com a boca ou apenas mostre sua canete diferente e ganhará no mínimo um sorriso delicioso.
  • Converse com a mãe ou pai. Fale de outros assuntos que fujam um pouco da maternidade e paternidade. Com certeza o papo vai aliviar o estresse do momento.
  • Ofereça ajuda para pegar a mala. Talvez essa seja uma das maiores gentilezas oferecidas para a mãe/pai naquele momento depois de passar horas dentro de um voo segurando um bebê.
  • Por fim, não menos importante, seja compreensivo e pratique a empatia.

E aí, lembraram de mais alguma dica? Compartilha com a gente 🙂 Bjs

Ter ou não ter, eis a questão

Ter ou não ter, eis a questão

Olá, chicas!

Alguém viu o texto “Então, não tenha filhos”, do palestrante Marcos Piangers, que circulou no Instagram por esses dias? E aí, o que acharam? Para quem não leu, la vai ele aqui:

“Não que eu seja o melhor palestrante de escola, mas o convite tem acontecido cada vez mais frequentemente. Não pra palestrar para crianças, mas pra pais. Algumas dão até o nome de Escola de Pais. Parece que os pais estão perdidos, omissos, distantes. Eu falo por mais de uma hora, mas o que as escolas querem mesmo que eu diga é só uma coisa: vocês têm que participar mais. Mas eu não tenho tempo, diz um pai. Estou na correria do dia a dia, diz outro. Mas tenho que pagar as contas, diz uma. Mas trabalho o dia todo e de noite tenho academia, diz outra. ENTÃO, NÃO TENHA FILHOS. Não tenha filhos se você não tem tempo, se tem muitas contas para pagar, se precisa ir na academia. Não tenha filhos se está muito cansado, se não tem saco para lidar com criança. Não tenha filhos. Uma proprietária de creche me contou que um pai chegou ao ponto de pedir para abrir a escola sábado e domingo, para ele deixar o filho lá no final de semana também. “Trabalho a semana toda e no fim de semana preciso dormir”, disse ele. ENTÃO, NÃO TENHA FILHOS. Entendo que filho se tornou uma moeda social, algo para gente tirar foto bonita e colocar no Instagram. Mas não tenha. Se não tiver tempo, paciência e dedicação, não tenha. Seja feliz sem filhos. E se já tem, então crie. Crie com todo amor e carinho. Crie com menos gastos e mais tempo junto. Filhos exigem reorganizar tudo o que você estava fazendo. Dura uns vinte anos. Vai passar rápido. Quando você menos esperar eles crescem e vão embora. Dai você faz o que quiser. Se é para ter filho, só preciso mesmo dizer uma coisa: você precisa participar mais.”

Embora, a frase escrita em caixa alta “ENTÃO, NÃO TENHA FILHOS” seja impactante, faz total sentido dentro da mensagem que o Piangers quer passar. Nós, mães e pais, nos deparamos com o desafio diário da doação, da renúncia, e em tempos onde a vida “off” dá cada vez mais espaço para o “on”, temos que nos recondicionar o tempo inteiro para participar de forma inteira na vida dos filhos. Sinto que é um exercício constante, árduo e diário. Mas, partindo do pressuposto do palestrante em que postar fotos ‘fofas’ virou uma necessidade como comer e dormir, se tornando mais importante do que certos valores como sentar-se à mesa em família, as palavras de Piangers é um chacoalhão de verdades.

O mundo muda o tempo inteiro e à medida que acontecem essas modificações precisamos nos atualizar enquanto pais. Falando sobre hoje, percebo a importância de sermos pais conscientes e presentes para um futuro mais saudável dos nossos filhos.

O que acham? Desejemos boa sorte a nós, sempre! Bjssss

Minha primeira viagem a trabalho longe dela

Minha primeira viagem a trabalho longe dela

Oiii!

Preciso compartilhar com vocês a minha primeira experiência de viajar sem a Helena. Hoje ela tem três anos e pela primeira vez desde que ela esteve na minha barriga eu nunca, mas nunca fiquei um fim de semana longe dela, quem dirá em outro estado. Masss aconteceu, e foi em uma viagem a trabalho. Confesso que quando soube que faria essa viagem, ao mesmo tempo que achei desafiante, só me vinha a minha filha na minha cabeça e zilhões de perguntas sobre como seria eu e ela ficarmos longe uma da outra por mais que um dia. Sim, como toda libriana nata fiz muitos questionamentos até parar e deixar fluir…

Minha primeira viagem a trabalho sem a Helena

Uma semana antes…

Aff, o medo de avião que carrego comigo desde que me conheço por gente, aliás, minto, quando eu era criança eu me lembro da minha primeira vez num avião, aos dois anos de idade, e achei o máximo estar no “céu”. Lembro exatamente da cena, eu admirada por estar entre as nuvens hahaha. Mas conforme crescemos vamos adquirindo medos (coisas chatas de adulto, vamos combinar?), e o de avião é um deles para mim.

Dois dias antes…

Fiquei muito melancólica, lembrava da Helena no trabalho e meus olhos enchiam de lágrimas. O sentimento de culpa veio sei lá quantas vezes. Compartilhei esse meu fantasma com algumas amigas, um delas foi a minha amiga do trabalho, aliás, essa é guerreira, já é íntima da Lelê de tanto escutar eu falar dela rs.

No grande dia…

Essa sensação de culpa persistia, mas tinha algo maior que se sobressaia: realizar um bom trabalho para qual eu fui direcionada. Talvez ansiedade? Sim, mas falar de ansiedade é redundância na era em que vivemos, né, minha gente?

Bom, trabalhei e depois fui para o aeroporto e Helena aparecia na minha mente de forma orgânica, tão normal quanto o ato de respirar. Olhei fotos, vi vídeos, perguntei dela. Me acalmei, estava tudo bem, pensei: “Fernanda, relaxa e se concentra na decolagem, ou melhor, devore a revista de bordo na sua frente. Olha pro céu pela janela e relembre a cena de quando você era um tico de gente e achou coisa de outro mundo voar”.

Cheguei no destino, que por sinal, tinha o mar azul de Pernambuco como quadro natural. Liguei o celular para falar com ela em vídeo. Ela estava mega feliz! E eu, mais feliz ainda e grata por ela estar ótima.

No dia seguinte (ainda em viagem a trabalho)

Acordei umas cinco da manhã com o cheirinho dela. Tá, vou contar para vocês, eu levei uma blusa dela usada para dormir sentindo o cheirinho dela, que sou viciada. Quem é mãe, vai me entender. E quem não é, acho que também hahahaha.

Quis ver o nascer do sol. Gente, lá em Pernambuco por volta das cinco da manhã o sol já nasceu. A terrinha é tão calorosa que até o sol de lá não quer perder tempo! Aliás, que povo receptivo, hein. Brasileiro é conhecido como um povo caloroso e acolhedor, mas lá em Pernambuco o pessoal é extremamente simpático, adora receber turistas, e ai se falar mal da terra dele.

Me preparando para o café da manhã, fui ao banheiro e por alguns segundos passou pela minha cabeça que eu tinha que ir logo porque a Helena estava me esperando do outro lado do banheiro, no quarto do hotel. Olha que louco, é a nossa cabeça de mãe nos pregando peça.

No café da manhã, toda criança que eu via lembrava dela e o quanto ela estaria feliz de estar ali. Respirava, olhava uma foto dela e voltava a minha cabeça para o trabalho.

No trabalho, me concentrei e consegui me desligar dela porque a função me chamava. Trabalhei, trabalhei, trabalhei. Voltei pro hotel, e nas poucas horas de descanso até continuar a pauleira à noite fui conhecer umas praias de Porto de Galinhas (o evento era por ali). Foi o tempo para tirar foto, molhar o pé na água e admirar um pouco a natureza em sua mais bela perfeição. Isso foi revigorante para mim.

Essa experiência me fez voltar para mim, desacelerar, fazer as coisas de uma outra forma, sem se preocupar com obrigações além das minhas. Me fez olhar para as minhas ideias e vontades, conversar comigo mesma. Me fez perceber o quanto é bom ter um tempo para nós mesmas, apesar do misto de sentimentos contraditórios.

Pôr do sol em Maracaípe (PE) no intervalo do trabalho

Na volta…

Ao voltar para a casa eu estava cheia de saudades e fui correndo para a casa ficar grudadinha com ela.

Quantas mães você tem e você é?

Quantas mães você tem e você é?

Mãe. Mãe é quem cuida, quem ama, quem dá à luz e quem proporciona também. Mãe, é a mãe; é a irmã; a vó (foto); a sogra; a tia postiça (ou não); a melhor amiga da mãe que te viu de calcinha quando ainda era um tico de gente. Mãe, é a amiga que acolhe. É a mãe da amiga que te conforta. É a madrasta que se preocupa. Há muitas mães por aí… todas são mulheres de alma genuína, em fios de aço encapados por seda, belas e fortes mesmo com suas imperfeições, mas que amam rumo ao infinito. Com certeza você, assim como eu, tem várias. Porém, não mais especiais, algumas ecoam importância maior, aquelas que trabalham arduamente (e como!) para construir quem somos, cheios de indagações e desafios como num quebra-cabeça e a quem nos permitiu o milagre da vida. Feliz da mães, tanto para aquelas que possuem esse papel declaradamente quanto para as outras que mesmo sem ser oficialmente uma possuem postura de mãe.

Inteligência emocional é tão importante quanto inteligência cognitiva?

Inteligência emocional é tão importante quanto inteligência cognitiva?

Escolas e universidades investem em inteligência emocionalEssa semana li uma notícia de que o governo negocia parcerias com universidades particulares para inserir na grade de aulas a disciplina de Inteligência Emocional. Recentemente, assinei um projeto de lei que propõe levar para as escolas públicas a prática da meditação e trabalhar a sensibilidade das pessoas. Eu percebo que nunca se falou tanto nesse assunto como ultimamente. Vocês também acham isso? E eu acho ótimo abordar questões ligadas ao emocional, pois os dados estão aí para comprovar de que a sociedade está tão doente a ponto de entrar em colapso a qualquer hora.

Em uma entrevista ao site da ISTOÉ Dinheiro, Augusto Cury diz que o Brasil – e o mundo – carece da habilidade do do controle do “eu”, da autoconfiança e de outras vocações associadas ao lado emocional. Ele afirma que uma das principais causas de grande lacuna humana é a tecnologia, o excesso de informações fragmentadas. “Em termos tecnológicos, em termos sociais, o mundo ficou mais rico, mais conectado, mas menos feliz. O desafio é saber converter a tecnologia em felicidade, como traduzir tudo isso em bem-estar, como transformar todo esse crescimento em pessoas mais proativas, mais generosas, mais empáticas, mais altruístas, mais felizes”, diz Augusto Cury ao portal da ISTOÉ Dinheiro.

Ele destaca um número alarmante: 82% dos casos de demissão em cargos de liderança em 2016 foram motivados por problemas comportamentais. O psicanalista afirma que as escolas e universidades estão formando pessoas doentes para uma sociedade doente e, como conseqüência, um mercado de trabalho mais doente ainda. “Se as universidades e as empresas não ensinarem a lidar com a emoção, as pessoas não irão parar de sofrer por antecipação. Não saberão filtrar estímulos estressantes. Não conseguirão deixar de lado aquilo que não lhe pertence”, diz na entrevista.

Levando em consideração que o Brasil perde US$ 60 bilhões por ano por transtornos emocionais, precisamos sim falar desse assunto, precisamos sim compartilhar ações positivas que buscam trabalhar aspectos comportamentais do ser humano nas universidades e nos ambientes de trabalho. Entrevistei para uma matéria sobre edutechs uma escola de ensino a distância (EAD) cujo foco é despertar nos alunos habilidades como autoconfiança, potencial criativo e capacidade para lidar com os desafios e as diferenças. Isso não é o máximo? Eu achei! Legal para indicar para aquela pessoa que talvez precise melhorar a sua autoconfiança e aperfeiçoar a forma de se relacionar com os outros. Tsá, diga aí se você não pensou isso?! Hahaha, faz parte. Masss, a gente sabe aquela velha máxima que para mudar o outro precisamos primeiro mudar a gente 😉 !

 

Bjs, hasta luego!

 

 

 

Os medos depois que me tornei mãe

Os medos depois que me tornei mãe

Hoje eu estava pensando sobre as forças e as fraquezas que a maternidade despertou em mim. Forças porque depois que me tornei mãe descobri coragens que eu não sabia que tinha e fraquezas porque também passei a ter vários medos que antes eu desconhecia ou, se tinha um ou outro deles, era de forma mais branda.

Por exemplo, sempre fui um pouco apavorada quando via alguém cair e se machucar. Hoje que sou mãe fiquei ainda pior com relação a isso rs. Confesso que não sou um primor em primeiros socorros, mas aprendi a duras penas durante esses três anos de vida materna que ser mãe é também ser um pouco enfermeira nas horas necessárias. Mesmo cagando de medo quando me deparo com a cena da Helena caindo e se machucando tento segurar a onda – confesso que não é tãaooo fácil assim – e evitar dela ficar mais apavorada.

Outro medo, ou melhor cautela nesse caso, é sobre dirigir nas estradas. Se antes eu tentava ser cuidadosa (inimigos falarão o contrário rs), agora eu sou cuidadosa ao quadrado. Mas um dos primeiros medos que me veio logo na maternidade foi o da Helena engasgar. Sério, me lembro de eu perguntar para a pediatra do neonatal o que fazer quando a bebê engasgasse. Eu ficava procurando os vídeos de primeiros socorros para casos de engasgo em bebês. Que doidera, eu sei…

Também tenho medo de andar com a Helena muito tarde da noite. Sem falar no medo de morrer ou de ficar doente, aff, cruz-credo!

E vocês, mamis lindas, qual o medo que adquiriram depois da maternidade? Algum que eu não destaquei aqui?

Redes sociais pra que te quero?!

Redes sociais pra que te quero?!

Em tempos onde a internet é a bola da vez, nós, usuários dela (incluindo adultos e crianças), estamos sujeitos a nos deparar também com o seu lado obscuro. Por isso, precisamos urgentemente nos voltar para essa ferramenta que veio para facilitar o nosso dia a dia com um olhar muito atento. Recentemente, a boneca mórbida e aterrorizante Momo virou notícia internacional por aparecer durante vídeos infantis no YouTube, amedrontando crianças e manipulando-as ao caminho do suicídio. Isso é apavorante. É o ápice da maldade do ser humano por traz de toda tecnologia. Diante desse fato que correu o mundo todo, matérias muito bem intencionadas surgiram com intuito de instruir os pais em como agir com relação a forma como os seus filhos interagem nas redes sociais, sobretudo no YouTube. O diálogo é o principal ponto de partida. Com ele, a criança tem um norte dos seus pais de como utilizar o entretenimento que a internet proporciona de maneira saudável, sem correr riscos, pois infelizmente estamos sujeitos a coisas muito negativas do outro lado da tela do celular, tablet ou computador.

Nós, como pais, sabemos da grande responsabilidade que temos na mão e textos nos instruindo sobre como agirmos com nossos filhos em relação ao assunto são sempre muito bem-vindos. Mas, aquela velha história de que primeiro precisamos olhar o nosso umbigo antes de observar o entorno vem à tona, por mais que se trate dos nossos filhos, já que para prestarmos atenção neles precisamos estar presentes não só em matéria, mas de corpo e alma também. E se tem algo que a internet faz é tirar muitas vezes a nossa atenção das pessoas com quem estamos e amamos. Nos desconectarmos de qualquer rede social durante o tempo com família e amigos é crucial, pois para aproveitar esses momentos é importante se perceber, notar o entorno. Sim, muitas vezes é um desafio, eu sei, a internet elevou na potência máxima o nosso pensamento e sensações que queremos estar online all the time! Porém, não é impossível ficar off durante horas, dias… Já fiquei várias vezes sem redes sociais e até celular. Das vezes que quebrei um aparelho parecia até um sinal para eu trabalhar a relação com as redes sociais em mim. Por isso digo, ficar off é benéfico para a gente e consequentemente para as pessoas ao nosso redor. Você já adotou algumas dessas atitudes abaixo? Se sim, o que achou? Se não, que tal tentar? Hihi 😉

– De manhã, evite olhar o celular assim que acordar, pois, quando não faz isso, o olhar celular deixa de ser prioridade do dia e você acaba esquecendo dele um pouco pelas próximas horas.

– Controle o seu tempo no celular! O insta, por exemplo, tem a função de programar o tempo que você passar dia olhando essa rede social.

– Pratique esportes. Caminhar, por exemplo, traz benefícios para o cérebro e libera serotonina, o mesmo hormônio, que segundos especialistas, liberamos quando as pessoas curtem nossas publicações nas redes sociais.

– Desligue o celular na hora de dormir ou fique longe dele. Ir dormir logo após ficar na rede social pode liberar uma pilha errada na gente e nos trazer certa ansiedade.