O que você diria para a mulher que você era antes de ser mãe?

O que você diria para a mulher que você era antes de ser mãe?

Se você marcasse um encontro com a mulher que você era antes de se tornar mãe o que você diria para ela? Talvez, você teria muitas coisas para dizer que um bloco de notas não seria o suficiente ou, quem sabe, você resumiria a conversa em poucas palavras — o que sobraria mais espaço para os elogios do que para os “conselhos”. Se eu fosse ter esse tête-a-tête comigo mesma antes da Fernanda-mãe certamente eu diria muitas coisas, e ainda assim não seria o suficiente, pois à medida que o tempo passa cada nova experiência surge com a maternidade. Mas eu começaria dizendo: “relaxa, não pira!”. Eu diria também que pirar é saudável e faz parte do que é ser mãe. Aliás, é no mínimo esquisito não despirocar de vez em quando com a vida maternal.

Eu diria também a mim mesma para ser mais complacente com a Fernanda-mãe. Diria também que por mais que as informações estejam na internet a um piscar de olhos tem coisas que no âmbito da maternidade só funcionam com o instinto, e esse terreno, minha amiga, toda mulher domina, até as mais desavisadas. Também incluiria uma pergunta no meio disso tudo, ela seria: “e aí, ta reclamando que não tem tempo?” Acrescentaria na sequência para a Fernanda antes de ser mãe aproveitar mais as idas ao salão, o tédio de não fazer nada e o luxo de um banho demorado em silêncio. Taí uma das grandes belezas da maternidade: aproveitar o sabor de cada segundo das coisas. E por fim falaria que por mais palavras que a mãe Fernanda dissesse à Fernanda de antes não imaginara a transformação que é a vida dela com a maternidade. Que ela vai descobrir a força que tem dentro dela, que vai entender o verdadeiro sentido da vida e do amor e, sim, vai descobrir a sensação mais especial de se sentir a pessoa mais importante do mundo de alguém.

 

 

Empurrar com a barriga é natural

Empurrar com a barriga é natural

Você já deixou de fazer algo chato ou complexo para o dia seguinte? Ou ficou adiando aquela conversa importante no trabalho ou em casa que poderia ter te levado a uma situação desagradável? Segundo o Dr. Fábio Leyser Gonçalves, mestre e doutor em Neurociências pelo Instituto de Psicologia da USP e professor da Unesp Bauru, procrastinar é um fenômeno natural que faz parte dos nossos comportamentos de defesa, “pois, pelo menos em curto prazo, nos poupa de uma situação desagradável ou de um grande esforço/gasto de energia”, observa. Ele reforça que todos nós procrastinamos, a questão é em que grau e quais as consequências adicionais de adiarmos uma tarefa. Em sua explicação, o especialista diz que boa parte desse fenômeno pode ser compreendido pelo fato de que tendemos a desvalorizar eventos futuros, ou seja, subestimamos o quão difícil será fazer um trabalho ou alcançar uma nota nos estudos.

Embora evitar a procrastinação seja praticamente impossível, esse tipo de evento pode virar de fato um problema quando se torna algo recorrente. “Entendo que o maior dos fatores é estabelecer uma relação saudável com o nosso mundo. Um trabalho muito desagradável, por exemplo, parecerá custoso, difícil e aumentará a chance de procrastinação”, diz o professor. Para ele, trabalhar ou estudar coisas das quais gostamos torna menos provável a procrastinação e uma alternativa para manter distância de afazeres que podem despertar a sensação de protelação.

Podemos pensar em algumas técnicas para lidar com a procrastinação, embora “não seja todo mundo que se adapte a elas”, assim observa Gonçalves. “Uma alternativa bastante comum é usar sinais, fotos, símbolos que estejam presentes e que apontem para as consequências de longo prazo”, destaca.

Apesar das redes sociais terem um impacto considerável na vida humana moderna, associar essa questão com adiar alguma tarefa pode ser um grande equívoco. Pois, como ele explica, antes das redes sociais as pessoas já procrastinavam lendo jornal, comendo, indo buscar um copo de água, tomando um café ou fumando um cigarro. “Talvez o que tenha mudado é que as redes sociais e as tarefas compartilham o mesmo equipamento, facilitando a troca entre essas atividades”, pontua.

Gonçalves ainda reforça que se a pessoa não está conseguindo cumprir suas tarefas diárias por conta da procrastinação é recomendado procurar um psicólogo. “Muitas vezes o problema é maior do que não fazer a tarefa ou gastar horas em uma rede social, e um profissional qualificado pode ajudar a compreender o que está acontecendo e a promover mudanças”, conclui. E você, anda empurrando muita coisa com  barriga?

Photo by ROOM on Unsplash
8 coisas para fazer para você

8 coisas para fazer para você

Foto por Rowan Chestnut/ Unsplash

Em tempos de Instagram em que a comparação acontece 24 horas por dia é comum a gente querer, mesmo que inconscientemente, viver a vida dos outros. Mas nos esquecemos que cada pessoa tem um mundo pessoal e desconhecido dentro dela. Suas experiências de vida, valores e expectativas são diferentes. Deixar de se ludibriar com a vida do colega do outro lado do celular e viver a nossa realidade é um trabalho contínuo em meio a esse ecossistema virtual maluco. Pensando nisso, montei essa lista. Me conta o que acharam, vai.

  1. Encontre os porquês. Tudo tem que existir um porquê e muitas as vezes a gente não questiona as coisas. Por que estamos sentindo de determinada maneira? Por que queremos fazer tal viagem? Qual o padrão que uso como referência para julgar a mim mesmo e aos que me cercam? Em alguns casos, a resposta pode demorar a vir, mas quanto mais levar tempo, mais consistente e precisa será a resposta.
  2. Se distancie das “telas” no fim de semana. Deixa o celular longe e, no máximo, atenda as ligações. Nada de rede social e nem Netflix. Aproveita a casa, vá ao parque, curta as coisas simples e analise depois o que repercutiu na sua mente e quais foram as ideias.
  3. Observe a sua respiração, se ela está curta ou se está te atrapalhando para falar.
  4. Faça alguma causa nobre que vai te trazer o sentimento de felicidade por ajudar o próximo, como visitar uma entidade e fazer doações.
  5. Se observe antes de se desculpar por tudo. Veja se realmente cabe uma desculpa ali ou se é exagero ou encanação sua.
  6. Leia um livro se realmente você quiser lê-lo e não porquê o mundo todo está falando dele. Pergunte-se: esse livro realmente é interessante para mim?
  7. Dê importância às coisas boas e deixe as ruins de lado. Quanto mais você falar dos problemas, maiores eles se tornarão. Então, enaltece as notícias que trazem boas sensações.
  8. Por fim, veja coisas que te façam rir de doer a barriga.
6 coisas que deixam minha manhã mais ‘zen’

6 coisas que deixam minha manhã mais ‘zen’

A forma como acordamos diz muito sobre como vai ser o nosso dia, não é verdade? Tenho me esforçado em ser uma pessoa mais “relax” já que a ansiedade habita o meu corpo há décadas. Embora aparentemente eu seja uma pessoa tranquila, sou um tanto agitada por dentro, meus pensamentos que digam. Portanto, aquietar a mente, eu confesso, é um imenso desafio pra mim! But, nada está perdido e sempre existe um caminho para a cura (hahaha) ou, nesse caso, controle. Vou compartilhar com vocês o que eu faço para começar o dia mais tranquila. E, por favor, quem souber de mais dicas nesse sentido, divide com a gente também, a saúde mental humana agradece 😀

Meditar – Até pouco tempo atrás eu tinha preguiça só de me imaginar meditando, mas, para os céticos, não é que o trem funciona mesmo? Praticando um pouquinho, dia a dia, você vai tomando mais consciência do corpo e da própria mente. Você começa a ter respostas para as coisas, é impressionante!

Caminhar – Já disse aqui e repito: é uma meditação para mim. Me coloca cara a cara comigo mesma, ativa a circulação, me faz pensar em coisas boas e por consequência me deixa mais disposta.

Alongar – No frio a gente tem a tendência a deixar os músculos mais tensos. E isso gera desconforto, né? Porém alongar ajuda a relaxar essas partes do corpo, fora que enquanto você alonga você acaba se concentrando nos exercícios, que por sinal ajudam a ficar mais ‘sussa’.

Observar a respiração – Preste atenção na respiração e tente controlá-la com expirações e inspirações longas. Se fizer umas dez vezes seguidas já vai ficar mais tranquila.

Defumar o ambiente – O Palo Santo limpa energias negativas do ambiente e diminui tensões. Ele é um pedaço de madeira aromático e é utilizado como incenso.

Escutar música – Escutar música é uma verdadeira terapia! Sempre escuto música e vejo o poder que ela tem sobre o humor. Só reforço o que os especialistas recomendam: escutem música, em diferentes lugares, de diferentes formas! Sempre escuto quando estou no caminho do trabalho, já que, vamos combinar, os noticiários trazem tantas notícias ‘tensas’.

Pele em dia

Pele em dia

Não sou nenhuma expert em beleza, mas adoro o tema e tento seguir pelo menos os cuidados básicos para a minha pele ficar mais ou menos e ter uma vida útil razoável hahaha. E a gente que tem mil e um afazeres não podemos esquecer dela, né? Na correria do dia a dia , tento seguir esses truques básicos:

  • Quando vou dormir lavo a pele e passo aquele creminho básico antirrugas;
  • Faço uma esfoliação uma vez por semana pelo menos. Se sua pele for mais pra oleosa, faça mais;
  • Bebo muita, mas muuuita água;
  • Uso protetor solar ao acordar e até a hora de dormir
  • Durmo, o quanto for possível, e aproveito as poucos horas de sono para descansar

Para Sempre

Para Sempre

 

Foto: Fabiana Dombrowsky
Foto: Fabiana Dombrowsky

“Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.”

Carlos Drummond de Andrade