Pausa para um papo, Sem categoria

5 apps para tornar a sua vida financeira mais eficiente

Foto por Emma Matthews Digital Content Production para Unsplash

Quem aí faz aquela lista básica dos gastos mensais? Eu sou dessas já faz alguns anos. A planilha no excel me ajudou a ter disciplina com o dinheiro e a me planejar melhor. Só que tempos atrás meu computador, já velinho, decidiu não funcionar mais. Tudo bem que depois de dez anos eu já esperava por esse fim e entre as preocupações na hora foi como eu iria ter o controle dos meus gastos dos próximos dias sem a planilha do excel? Se fosse antigamente eu anotaria nem que fosse no papel de pão mas não ficaria sem o controle dos gastos diários, só que a tecnologia está aí na nossa cara pra mostrar que a vida pode ser muito mais simples do que imaginamos. Buscando por apps de controle financeiro para baixar no celular, encontrei vários, uns bons e outros nem tanto. Práticos, você consegue anotar na hora o que consumiu, sem ter que ficar guardando comprovante das coisas que passou no cartão — o meio ambiente agradece por isso. Vou deixar aqui a relação dos que mais gostei. E se você é do tipo que não anota nada agora não tem mais desculpas pra não registrar mais o cafezinho com as amigas ou o sorvete do domingo com os kids, hein!

Minhas Economias: esse é o app que utilizo pra anotar meus gastos. Gosto porque ele apresenta as despesas em forma de gráfico de pizza e consigo fazer uma comparação mais clara. Ele mostra também o quanto teve de redução de saídas no mês nesse mesmo formato de gráfico.

Money Care: simples de utilizar, disponibiliza algumas categorias, destacadas em cores diferentes, pra ajudar na organização do dia a dia. Embora eu tenha achado interessante logo de cara, testei esse por pouco tempo. Mas fica a dica 😉

Organizze: o legal desse app é que você consegue criar suas metas, além de ter um balanço de despesas e receitas. Um ponto que não gostei foi que ele possibilita cadastrar cartões de crédito e sempre fico meio cismada quando uma ferramenta gratuita solicita muitos dados…

Money Manager: bastante intuitivo, permite personalizar as categorias de gastos com stickers bem legais. Quem curte um design diferente vai gostar dessa opção. A notícia chata é que não encontrei essa opção para Iphone. Se você procurar para Android, o logo do app é um cofre de porco amarelo com uma moeda. Convenci uma amiga de que ela tinha que usar um app de controle financeiro e ela está amando esse hahaha.

Contrôle de Despesas Diárias: achei a ferramenta mais simples pra quem está começando a controlar as finanças. Permite encontrar a fonte de custo mais alto e revisar os gastos de forma bem prática. Também possibilita personalizar os tipos de consumo.

Me diz o que achou e também vou amar se você conhecer alguma ferramenta dessas que veio pra ajudar na organização financeira e puder compartilhar!

 

Pausa para um papo, Sem categoria

Como ser feliz de verdade no carnaval

Sempre gostei de pular carnaval. E se tem uma lembrança que se mantém viva na minha cabeça é de quando eu me acabava de dançar nas marchinhas de carnaval com minhas amigas em Cuiabá, terrinha onde cresci. Mais do que se fantasiar, o importante era estar preparada pro fervo. Água e tênis eram os principais itens pra cair na folia sem dó.

Me tornei mãe e depois dos 30 sigo gostando dessa animação. É lindo de ver todo mundo colorido, cada um montado do jeito que acha legal, expressando suas convicções e por vezes protestando de um jeito diferente por aquilo que acredita. A festa é democrática e aproxima as pessoas. Continuo com a mesma vibração de 15 anos atrás por essa folia total em que os corpos se encostam e o grito é de alegria.

E pra entrar nessa anarquia com responsabilidade e evitar passar perrengue no dia seguinte como uma gripe ou uma ressaca indesejada (afinal, tem o filho pra cuidar no dia seguinte) montei uma lista do que não pode faltar no seu carnaval!

1 – Escolha uns dias pra levar a criança pra pular carnaval contigo. Tem muitos blocos feitos e preparados para a família. Com certeza ela vai se divertir e você também;

2 – Quando for pular carnaval com os amigos, fantasie e pinte a criança também. Assim ela pode participar um pouco dessa diversão que é se arrumar e não se sentir excluída. Além do mais, as chances dela se chatear com o fato de você sair sem ela vão ser menores e nada que uma boa conversa clara não ajude;

3 – Mais do que deixar o celular com volume (já que não vai escutar mesmo com o barulho da folia), é importante colocá-lo na pochete de forma que ele fique encostado no corpo e você possa perceber a chamada dele caso aconteça alguma emergência e te liguem, mas não fique moscando com o aparelho na mão. Deixa pra checar o insta em um lugar seguro, OK?;

4 – Use tênis e roupas confortáveis. Imagine você pular o dia inteiro e no dia seguinte ficar com o pé todo machucado e dolorido porque não acertou na escolha do sapato? Você precisa estar bem para cuidar da criança na dia seguinte, lembre-se disso;

5 – Se hidrate bastante durante a folia. Afinal, lembre-se de que você precisa estar razoável no dia seguinte, pois embora a gente não seja de ferro, deixar a peteca cair é algo que estamos sempre evitando, não é mesmo?;

6- Cuidado pra não se perder da galera. E ninguém quer acabar a folia sem os amigos, né?;

7- Vocês vão me entender (e concordar) que casaquinho nunca pesa. Amarre-o na cintura na hora da farra se você não quiser acordar no dia seguinte com um possível resfriado!

Mãe na real, Pausa para um papo

Exaustão materna e a busca da perfeição

Nas livrarias a gente fica até atordoada com tanto título focado em como sermos mães experts na criação. Quem ama, educa!, Disciplina Positiva, Comunicação não-violenta e por aí vai… No mundo das telas, a oferta também é grande, centenas de páginas indicam mil e uma maneiras de como “ajudar o filho a ter autoestima saudável”, “como aprender a se comunicar com a criança de forma bem-sucedida”, “como fazer e não fazer para o filho não dormir mais na sua cama”… Informações de todos os lados surgem a todo instante. Por muitas vezes caem como uma luva – eu mesma já dei várias googladas na tentativa de achar respostas para birras da Helena. Com tanta facilidade fica difícil até filtrar o que chega pra gente.

Em meio ao desgaste mental que é educar, se aprisionar em algum método é pedir para embarcar numa canoa furada, já que exercer esse ofício é um processo contínuo de aprendizado e transformação e não existe uma fórmula exata. Cada pessoa é única, cada criança também. O que se aplicou uma vez pode não servir mais. Estamos o tempo todo mudando as estratégias desse jogo incessante. E se buscamos educar para a paz, liberdade e respeito mútuo não é seguindo caminhos das teorias inexoráveis que atingiremos esse objetivo, até porque nossos valores e instintos falam mais alto no momento que precisamos agir rápido.

Já estamos criando os filhos com nossas maiores forças, dando o nosso melhor, imagine se a gente ficar nessa automutilação para ocupar o lugar inalcançável da perfeição? Não há sanidade mental que aguente. Nos grupos das redes sociais dá pra perceber o tanto de mães exaustas à beira da loucura. A tão falada síndrome de burnout ganhou a versão materna e invadiu os lares. O estado de esgotamento no ambiente de trabalho detectado pelo psicanalista alemão Herbert Freudenberger radicado nos Estados Unidos começou a ser estudado pela psicóloga belga Moïra Mikolajczak. Na reportagem sobre o tema no bebe.com.br (clique aqui para ler a matéria), Juliana Benevides, psicóloga clínica e perinatal, diz que o que contribui para esse quadro é que a maioria das mulheres é submetida ao esgotamento porque se espera que elas estejam preparadas para serem mães, profissionais e donas de casa. E isso vai acumulando a sensação interna de que a vida está anulada. “pois nada do que fazem é para elas, não há um momento de ócio”, afirma.

Desde os primórdios sabemos que a perfeição humana não existe. Sem que a gente perceba, querer atingir o estado de mãe extraordinária não nos leva a lugar nenhum a não ser à exaustão mental, além de colaborar para a imagem romantizada da maternidade. E vamos combinar que tudo de que não precisamos é viver nesse cenário de ficção enfadonho, mas sim encarar de peito aberto as dores e as fraquezas que vêm no pacote em ser mãe? Só assim atingiremos o ápice do universo particular maternal de cada uma. Hoje é possível participar de comunidades destinadas a destrinchar os pontos mais sensíveis que envolvem a maternidade. É o caso, por exemplo, do Mulheres Visíveis, Mães Possíveis, criado para promover encontros entre mulheres com o propósito de dividir experiências e aprender umas com as outras.

Embora tocar nesse solo onde residem os fracassos e as culpas nos cause medo, assumir o risco de encarar os nossos monstros é importante e necessário.

Se silenciar pelo medo de falhar, algo que é tão humano, desperta mais transtorno do que qualquer outra coisa. Além do mais, evitar o erro inibe a ação e o impulso de explorar novas ideias, estimulando a cultura do cancelamento. Penso que agora, em plena Quarta Revolução, com novas tecnologias surgindo a cada piscar de olhos, é que devemos colocar os nossos medo no bolso e aproveitar toda a oportunidade de transformação que o ecossistema do conhecimento digital oferece.

Tudo bem que nessa caótica era do excepcional somos pressionados a atingir a doce ilusão da perfeição. E olha, até que sob os holofotes dos nossos espectadores conseguimos sustentar a nossa melhor versão, mas será que estamos sendo honestos com a gente ao se deixar levar pela sociedade do espetáculo onde quem dá mais show sai na frente com mais pontos? O filósofo francês Charles Pépin afirma que estamos chegando ao fim desse ciclo de obsessão pelo sucesso. Em seu livro As Virtudes do Fracasso, ele defende que não há sucesso sem o fracasso. Pépin diz que as falhas são inerentes ao ser humano e que somos capazes de chegar muito mais longe quando as enxergamos e as corrigimos. Ele diz que muitas vezes precisamos errar repetidamente até nos sentirmos deprimidos e nos aproximarmos do que realmente pretendemos.

Diante desse olhar, viver uma maternidade real sem tanto peso, aceitando os fracassos como uma forma de aprimoramento, só vai nos deixar mais felizes e realizadas. A propósito, você já parou pra pensar qual foi o seu fracasso que te levou a uma grande realização?!

Bjs

 

 

 

 

 

Pausa para um papo

8 podcasts pra você não tirar mais do ouvido

Imagem de StockSnap por Pixabay

Preciso confessar meu novo vício: escutar podcasts (contéudo em áudio disponível na internet). É no trânsito, arrumando a casa, no horário do almoço… em qualquer oportunidade tô eu lá com o celular ou o computador consumindo esse tipo de mídia num ritmo frenético absurdo, um atrás do outro sem parar. Ainda mais quando fico horas entre trabalho e casa (o que é rotineiro), aí esqueço até quem sou escutando tanta gente fera no mundo da podosfera.

Fáceis de acessar, os podcasts são uma forma de se informar, se inspirar, aprender e refletir sobre os mais diversos temas. Tenho encontrado vários mentores nestes canais e isso tem me tornado uma expectadora ávida dos próximos episódios de alguns programas que não saem mais do feed da minha biblioteca do Spotify (plataforma de streaming mais usada para este tipo de conteúdo). Aliás, vocês sabiam que o Brasil é o segundo país que mais consome podcasts depois dos Estados Unidos? O dado é de uma pesquisa da plataforma Podcast Stats Soundbites. E segundo o próprio Spotify, entre abril de 2017 e o mesmo mês de 2018, o aumento no número médio de ouvintes de programas em áudio diários foi de 330% no mundo. Sim, um universo cada vez mais inquieto pra quem quer produzir e consumir conteúdos assim.

Fiz uma lista básica com os que mais tenho escutado. Espero que curtam e, caso conheçam algum que não esteja por aqui, compartilhem com a gente, vai! 😀

1- Mamilos: Sou uma mamileira assídua desse podcast! É tipo a minha menina dos olhos na hora de acabar um dia tenso de trabalho, como um bate-papo entre as amigas, o happy hour solitário do trânsito (inventei isso agora rs). O programa é semanal e traz assuntos bastante debatidos sobre empatia, respeito, bom humor e situações ligadas à  maternidade e ao universo feminino. Cris Bartis e Ju Wallauer, as apresentadoras, mandam muito bem! Acessem os episódios “Remédio Pra Quê? e “A Felicidade é Inútil” pra confirmarem o que to falando.

2- Mulheres que escrevem: Adoro esse podcast porque cada edição gira em torno de um livro escrito por uma mulher. As entrevistadas normalmente são do segmento de editoria de livros e revelam suas visões sobre as obras em questão. Vale muito a pena acompanhar.

3- André Trigueiro: Os conteúdos deste jornalista especializado em gestão ambiental não deixam de ser uma forma de protesto às falhas e à falta de política em relação ao meio ambiente e à sustentabilidade. Embora as críticas de Trigueiro estejam mais voltadas para estes temas, ele amplia seu repertório e vai fundo em outros assuntos da atualidade. Escutem, por exemplo, “O Desafio de Ser Jovem”, “Raspas e Restos Me interessam” e “A Culpa não é do Pobre”.

4- Update Your Talent: Traz uma série de entrevistas com pessoas inspiradoras feitas por Gustavo Giglio, ex-gerente de Marketing e Comunicação da Trip Editora e um dos diretores do Update or Die, plataforma que reúne uma comunidade de profissionais e pessoas comuns ligados à criatividade.

5- Autoconsciente: Esse podcast é simplesmente maravilhoso. É uma grande forma de desacelerar e olhar com cuidado para a gente. A apresentadora, Regina Giannetti, é instrutora de mindfulness e trabalhou como editora-chefe na Editora Abril por anos. Sua voz doce já é um afago. Vale muito a pena escutá-la. Episódios como “Melhor não Alimentar as Expectativas”, “Estratégias para Baixar a Ansiedade” e “A Razão das Emoções” são uma verdadeira (e boa) fonte de autoreflexão.

6- Café da Manhã: Um dos podcasts mais acessados, é produzido pela Folha de São Paulo e é um ótimo canal pra ficar por dentro das principais notícias sobre política, economia, educação, tecnologia, cotidiano e ciência. Seus episódios são diários e, como o nome indica, publicados pela manhã.

7- Marchwill: Descobri esse podcast faz muito pouco tempo e estou adorando! A forma como tratam assuntos de tecnologia e o impacto que elas causam na nossa vida é abordada a partir de diálogos bem elaborados. Os episódios têm até 30 minutos e os apresentadores possuem um viés bem educativo. Ele é da plataforma SoundCloud, e não está no Spotify.

8- Being Boss: Tenho encontrado várias inspirações neste podcast! Tô amando escutar as entrevistas com mulheres que mudaram suas vidas criando seu próprio negócio. As apresentadoras Emily Thompson e Kathleen Shannon exploram criatividade, insights e estilo de vida de um jeito muito inspirador. Comecei a escutá-las faz pouco tempo, mas já estão na lista dos favoritos justamente porque sinto que me ajuda a manter um pensamento de crescimento, sabe? “Branding for Business” é um dos episódios dos quais escutei e amei. O último, “Plan a Happy Life”, também acompanhei e é bem legal.

 

 

Tarologando

Os desafios de cada signo em 2020 com base no Tarot e na Astrologia

Oi gente, tudo bem?

Estamos aqui para presentear vocês com uma previsão detalhada deste ano, preparada por minha amiga taróloga e astróloga Ivana Traversim (@ivanatraversim). Ela utilizou toda sua sabedoria com as cartas e os astros pra mostrar o que 2020 promete! Vejam o texto abaixo assinado por ela e acompanhem os caminhos e os desafios de cada signo. Ficaremos também felizes se comentarem por aqui 🙂 ! Bj bj

Tarot de Anna Maria d’Onofrio, publicado por II Meneghello

Valorizando o que é importante 

Veja o que as cartas do Tarot aconselham para o seu signo em 2020 — e abrace suas resoluções de ano com a ajuda do Universo

Por Ivana Traversim

Chegou  2020.  Como  nos  anos  anteriores,  fazemos  um  balanço  dos  últimos meses,  nos  comprometendo  a  corrigir  velhos  hábitos  e  estabelecendo estratégias  para  conquistar  nossos  objetivos  —  e  de  quebra  nos  tornar pessoas  melhores.

Mas  muitas  dessas  resoluções  de  início  de  ano  acabam  perdendo  força  com o  passar  dos  dias  e,  de  novo,  nos  vemos  lutando  com  questões  recorrentes. Isso  ocorre  porque,  mais  do  que  fazer  promessas,  é  preciso  ajustar  nosso foco  para  enxergar  as  lições  que  estão  à  espera  de  aprendizado.

Nesse  trabalho  de  autoconhecimento,  o  Tarot  pode  ser  um  instrumento  de grande  valor.  Claro  que  não  é  o  único.  Mas  ele  nos  fornece  insights  quase imediatos,  mostrando  caminhos  para  nos  aproximar,  cada  vez  mais,  de  quem somos  e  da  vida  que  desejamos  ter.

Cabe  a  nós  reordenar  os  pensamentos  e  tomar  atitudes  que  promovam   essa  evolução.  Acompanhe,  a  seguir,  as  recomendações  dos  Arcanos  para  os 12  signos  do  Zodíaco.  Descubra  seus  desafios  e  sua  força  em  2020  —  e comece  já  a  arrumar  a  casa.

 

TODOS: A Roda da Fortuna

O  eixo  Capricórnio-Câncer  continuará  preponderante  em  2020.  Dois  eclipses  (21 de  junho  e  5  de  julho)  vão  ocorrer  nesse  eixo,  encerrando  a  lição  que  vem  sendo oferecida  desde  2019:  o  equilíbrio  entre  o  social  e  o  privado,  entre  o  que  somos  na intimidade  e  o  que  somos  publicamente.  Câncer  rege  a  casa  e  a  família,  enquanto Capricórnio  prioriza  a  carreira  e  as  ambições  materiais.  Os  dois  últimos  eclipses  (30 de  novembro  e  14  de  dezembro)  serão  no  eixo  Gêmeos-Sagitário,  que  rege  o conhecimento,  quando  poderemos  avaliar  se  lidamos  bem  com  as  lições abordadas  durante  o  ano.

A  carta  que  se  apresenta,  não  por  acaso,  é  a  Roda  da  Fortuna.  Esse  Arcano corrobora  a  mensagem  da  Astrologia:  se  incorporarmos  os  aprendizados,  teremos a  oportunidade  de  iniciar  um  ciclo  novo  positivo,  cujos  efeitos  se  prolongarão  por muito  tempo.  Aceitar  o  fluxo  contínuo  da  vida  e,  se  for  o  caso,  alterar  nossas prioridades  (tudo  bem,  faz  parte  da  vida)  são  ações  importantes.  Se  recusarmos  a seguir  o  movimento  e  não  tivermos  jogo  de  cintura  para  lidar  com  as  mudanças, haverá  estagnação  —  e  provavelmente  precisaremos  repetir  a  lição.

ÁRIES: A Lua.

(de 21 de março a 20 de abril)

Neste ano, o ariano será convidado a usar a intuição. Como sua motivação básica é o impulso para a frente, está sempre fazendo planos e encabeçando projetos. Só que é difícil definir um rumo quando os caminhos não estão claros. Mas o ano poderá ser mágico se frear reações automáticas e aprender a ouvir a voz interior, separando o real do imaginário. Porque vai, de fato, deparar com situações em que precisará ver além das aparências, de coisas e pessoas.
Desafios: superar medos, ordenar os pensamentos e não desistir de objetivos.
Força: criatividade, forte intuição e espírito empreendedor.
Foco: direção.

TOURO: O Mago.

(de 21 de abril a 20 de maio)

Será um bom ano para o taurino dedicar-se a seus sonhos. Ele saberá exatamente o que fazer e, de fato, terá o poder de realizar o que deseja: uma renda regular e um relacionamento estável. Em outras palavras, a confiança e a veia empreendedora do taurino estarão em alta. Mas, para dar certo, precisará esquecer as desilusões e investir no desenvolvimento de suas habilidades (em vez de achar que o que sabe já basta). Atenção: a sedução como meio de conquista não leva a caminhos seguros.
Desafios: não buscar atalhos e comprometer-se com seus objetivos.
Força: talentos de sobra e capacidade de fazer muito o que já possui.
Foco: autonomia.

GÊMEOS: A Força.

(de 21 de maio a 20 de junho)

O ano presenteará o geminiano com convicção. Embora seja excelente na argumentação (sabe um pouco de tudo), deverá ter cuidado para não exagerar e acabar entrando em batalhas verbais. Não custa lembrar que empatia e gentileza são mais poderosas no convencimento do que atitudes agressivas. Se mantiver a calma, investigar com profundidade os assuntos e não forçar situações (e pessoas), a vida vai acontecer naturalmente e as longas esperas valerão a pena.
Desafios: desacelerar, ser paciente e vencer dependências de todos os tipos.
Força: versatilidade, curiosidade e capacidade de análise.
Foco:autocontrole.

CÂNCER: A Estrela.

(de 21 de junho a 21 de julho)

A energia deste ano trará renovação ao canceriano. Isso significa que, após tempos de dificuldades e fragilidade emocional, sua estrela voltará a brilhar, trazendo a esperança de algo novo acontecendo. Mais consciente da realidade, poderá encontrar a solução para problemas aparentemente insolúveis. E, conforme o canceriano se curar, vai curar os outros também. Precisará, porém, ter segurança para arriscarem território desconhecido, na direção de seus desejos em relação a família, casamento e filhos.
Desafios: não idealizar, permanecer positivo e confiar na providência do Universo.
Força: autoaceitação, tenacidade e paranormalidade.
Foco: regeneração.

LEÃO: A Temperança.

(de 22 de julho a 22 de agosto)

O ano trará uma energia de harmonia ao leonino. Ou seja, onde houver disfunções poderá haver equilíbrio. Para isso se concretizar, no entanto, será importante cultivar a paciência e a moderação. O leonino deverá compreender, finalmente, que a habilidade de resolver conflitos — tão importante tratando-se do rei da floresta — não passa por reações extremadas. Uma vez comprometido consigo mesmo e com os outros, terá o domínio de todas as áreas, numa verdadeira alquimia.
Desafios: separar o joio do trigo, ter tolerância e controlar os excessos.
Força: coragem, generosidade e capacidade de organização.
Foco: equilíbrio.

VIRGEM: A Torre.

(de 23 de agosto a 22 de setembro)

Neste ano o virginiano terá a oportunidade de reconstruir algo cuja base está deteriorada. Precisará, no entanto, fazer ajustes no dia a dia para acomodar novos arranjos e formas de pensamento. Isso causará um pouco de caos, mas será para o bem do virginiano, que estará com energia para deixar para trás pessoas e situações problemáticas. Importante: cada interrupção deve ser contraposta com um avanço na direção dos desejos. Ao final, ficará claro que as mudanças foram libertadoras.
Desafios: não se abandonar à sorte e não fingir que nada está acontecendo.
Força: capacidade de executar tarefas e de esclarecer situações confusas.
Foco: reestruturação.

LIBRA: O Eremita.

(de 23 de setembro a 22 de outubro)

O ano oferecerá ao libriano uma perspectiva diferente das coisas. Por mais que evite ficar sozinho, desta vez será preciso certo recolhimento e distanciamento para refletir sobre tudo que tem ocorrido na sua vida. A paz e a harmonia tão buscadas pelo libriano só virão quando conseguir olhar para dentro e resolver antigos conflitos entre desejos e necessidades. Importante: não deve se sentir sozinho, porque um caminho muito mais sólido se abrirá depois que tomar as decisões necessárias.
Desafios: aprender com erros do passado e posicionar-se com firmeza.
Força:
prudência, capacidade de avaliação e espírito de cooperação.
Foco: sabedoria.

ESCORPIÃO: O Julgamento.

(de 23 de outubro a 21 de novembro)

Este vai ser um ano de recomeço para o escorpiano. A transformação será profunda e com potencial de redefinir tudo, principalmente as áreas que estavam negligenciadas. Para isso é importante fazer as pazes consigo mesmo e já ir limpando a casa: perdoar-se de erros do passado, finalizar o que for preciso e abrir-se para o novo. O mediúnico escorpiano vai sentir o chamado. Conectando-se a essa força espiritual, terá a coragem necessária para transformar a vida e renascer mais forte e sábio.
Desafios: conter a inquietação, valorizar o que tem ebuscar conexão espiritual.
Força:
capacidade de renascer, garra e determinação.
Foco: renascimento.

SAGITÁRIO: Os Enamorados.

(de 22 de novembro a 21 de dezembro)

Será o ano do compromisso para o sagitariano. Deverá estar atento às parcerias (afetivas e profissionais), examinando como se comunica com o outro e se as trocas são igualitárias. Quanto mais imparciais os julgamentos, com genuína compreensão, mais bem-sucedidos serão os negócios e as relações, ainda que precise negociar novas regras. O sagitariano é bom em pensar grande. Deverá empregar esse talento para fazer escolhas que tragam prazer às suasiniciativas.
Desafios: dualidade das situações, inquietação e imparcialidade.
Força:
entusiasmo, senso de humor e poder de união.
Foco: comunicação.

CAPRICÓRNIO: O Diabo.

(de 22 de dezembro a 20 de janeiro)

Neste ano o capricorniano será convidado a encarar seu lado sombrio. Deverá refletir sobre atitudes negativas e, num grau elevado, obsessões, vícios e desejos de vingança. Sempre lutando por mais e melhor, vira e mexe ele questiona o que tem, mas não percebe que a origem de muitos problemas e arrependimentos pode estar na vaidade. Mas, uma vez ligado a valores elevados, terá sucesso e abundância. Afinal, o verdadeiro poder é saber quem somos e quais são nossos bloqueios e limitações.
Desafios:
fazer escolhas sábias e encarar sentimentos negativos.
Força:
determinação, inteligência e capacidade de transpor obstáculos.
Foco:
responsabilidade.

AQUÁRIO: O Louco.

(de 21 de janeiro a 19 de fevereiro)

Este ano traz ao aquariano a leveza de um caminho novo. Haverá uma sensação de novidade, preenchida com alegrias simples e também com coragem de expandir os horizontes, explorar novos lugares e fazer coisas que nunca fez. Para isso, precisará levar adiante o discurso de independência, mas sem correr riscos inúteis e sem desprezar responsabilidades. Os portais estão abertos para o aquariano, cujos olhos brilham quando se trata de quebrar o padrão, realizar mudanças importantes.
Desafios: seguir seu coração sem duvidar de si mesmo e pisar nos medos.
Força:
otimismo, originalidade e versatilidade.
Foco: iniciativa.

PEIXES: O Papa.

(de 20 de fevereiro a 20 de março)

Neste ano o pisciano vai ampliar seu conhecimento. Vale fazer cursos de todos os tipos, principalmente os ligados às belas-artes. Daí a chance de aumentar o círculo de amigos e encontrar um grupo com o qual tenha mais afinidade. O importante é abrir-se para as múltiplas trocas do Universo. Trocas igualitárias, diga-se de passagem, porque esse é o caminho para uma vida gratificante e plena. Ao compartilharsua sabedoria e alimentar o espírito, o Universo retribuirá com progresso social e individual.
Desafios: ampliar horizontes, revelar talentos e lidar com o lado prático da vida.
Força:
inteligência, tolerância e apoio da infinitiva sabedoria do Universo.
Foco: educação.

 

Por Ivana Traversim

Pausa para um papo

Quem sou eu na fila do pão?

Comecei o ano focada em não derrapar na saúde. Eu e metade do Brasil, né! Bem, tô eu, às sete da matina, lá sentada no banquinho esperando ser chamada pelo gastro. Ele anuncia o meu nome, entro e tenho uma breve sessão de terapia. Voltando para o viés de que o estômago é o nosso segundo cérebro, observar a feição do paciente tocando em questões que envolvem o emocional está no protocolo de muitos médicos gastroenterelogistas.

Entrei na consulta tensa e saí aliviada, pois sempre uma conversa que visita as nossas emoções e aflições do momento é como um antídoto, que afaga o nosso peito. Tranquila e confiante em cuidar da saúde (leia-se confiante!), eis que me bate aquela vontadezinha do dueto delícia pão francês com manteiga e café, e por que não? Não, porque acabara de sair do médico com a recomendação de que carboidrato é uma espécie de toxina para quem sofre de gastrite e sim já que o meu desejo era maior do que a preocupação com a saúde e as dores estomacais. “Ah só dessa vez”, pensei eu. Paro o carro e não penso duas vezes em levar pra casa uns paezinhos e me deleitar nessa singeleza.

Mas voltando ao assunto, depois de me acabar no pãozinho com café, fiquei pensando no meu deslize com a saúde e que por mais insignificante que pareça a minha estripulia, tal atitude fez eu adiar um plano inadiável: o de cuidar da saúde e do meu bem-estar. Afinal, quem sou eu na fila do pão pra sabotar a minha saúde?