A repetição de comportamento na criação dos nossos filhos

Todo mundo quer crescer e criar filhos em um ambiente emocionalmente saudável. Um dos grandes desafios na educação dos filhos é saber dosar os limites, quando é hora do sim e quando é hora do não. Pois nós pais “podemos ficar relutantes em estabelecer limites pelo medo de reprimir a espontaneidade e a imaginação dos filhos”, assim revelam Stanley Rosner, psicólogo com mais de 40 anos de experiência e diretor da Career and Educacional Planning Associates, e Patricia Hermes, escritora de mais de 40 romances, em seu livro O Ciclo da Autossabotagem.

O fato é que nós pais temos grandes chances de repetir o padrão da criação que recebemos e acreditamos que precisamos reproduzir os mesmos comportamentos e crenças dos nossos pais. Enxergar estes padrões é como encontrar uma agulha no palheiro, mais não é impossível. Exige autobservação, leitura e autoconhecimento.

“Pois através do sofrimento descobrimos traços profundos em nós que podem ser mudados.”, revelam os autores E, em vez de esconder debaixo do tapete traumas e acontecimentos marcantes, é preciso ter consciência destes fatos para que uma possível mudança ocorra.

“Expor vulnerabilidades e encarar questões desagradáveis que foram sepultadas há muito tempo é uma etapa preliminar necessária e, às vezes, a parte mais fácil. O que vem a seguir é a parte mais difícil do processo — transformar aquele reconhecimento em uma mudança de comportamento — porque a mudança não é um exercício intelectual.”, alegam em seu livro.

O que os autores afirmam em O Ciclo da Autossabotagem é que em vez de enxergarmos como certos ou errados, bons ou ruins, devemos encarar nossos comportamentos na criação dos nossos filhos como um reflexo do modo como nós fomos criados bem como as nossas crenças.

Muitas vezes, estamos repetindo comportamentos destrutivos sem nos darmos conta. Reconhecer alguns hábitos autodestrutivos que se repetem e entendê-los para mudar é o caminho. Em O Ciclo da Autossabotagem os autores afirmam que “às vezes é preciso chegar ao sofrimento para que os problemas sejam resolvidos.

Os autores acreditam que se mensagem consistentes forem comunicadas ao longo da criação é possível preparar crianças saudáveis, por assim dizer. No entanto, se estiverem expostas às dúvidas e inseguranças dos pais é provável que crescerão com algumas inseguranças.

Preparar filhos pro mundo não é da tarefa mais fácil, requer autoconhecimento, empatia e sem dúvida amor para criar um ambiente afetuoso e acolhedor.