Por que, nós, mulheres, sentimos ainda tanto medo?

Colagem James Dawe

Uma das frases mais comuns de se escutar hoje em dia é ‘seja você mesma’. Nunca se falou tanto em autenticidade, em ser quem você é, vestir, ter o estilo e as escolhas que quiser. Quantas vezes já escutamos ‘seja você sem se preocupar com o que os outros vão pensar’? Mas como ser quem você é se fomos condicionadas durante a vida toda a agradar para caber num padrão?

Será que a estrutura na qual vivemos quer, realmente, receber uma mulher ‘livre’? Ou será que querem mulheres ‘robôs’, que concordam caladas com o que não lhes agrada, que não têm direito de ‘errar’ e que abandonam suas opiniões?

Já repararam que o tempo inteiro corremos o risco de sermos anuladas, massacradas, pondo em risco o lugar de liberdade onde cada uma de nós queremos chegar? Com o tribunal da internet sem direito à fala [em muitos casos], o desafio da comunicação mais clara e objetiva é ainda maior.

Em seu livro Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas, Ruth Manus diz: “Vamos refletir e identificar quais são as amarras que nos prendem, mesmo quando são sutis. Vamos repetir diariamente para nós mesmas que somos livres para questionar os gostos e comportamentos que nos foram impostos desde o nascimento. E, acima de tudo, entender que ser diferente [quem você é] é uma qualidade, nunca um defeito.”.

Ser quem você é exige resistência, olhar suas dores e desafios a partir de uma ótica particular, uma vez que cada uma de nós tem sua história. E essa é a beleza da vida, cada uma ser quem é, preferencialmente, com apoio de todas. Quando falo em apoio não me refiro em termos que concordar 100% tampouco forçar uma amizade com outra mulher. É possível fazer críticas para a outra, mas que isso seja feito com os ouvidos atentos, sempre pela lógica de dar espaço para a pessoa falar, se colocando no lugar dela, compreendendo a luta particular de cada uma até aqui. Sororidade no sentido mais amplo da palavra.

Para que a engrenagem da máquina da mudança continue acontecendo e nossos medos limados, que nós, mulheres, coloquemos nossas diferenças de canto e respeitemos o espaço que cada uma escolheu ocupar. Um exercício diário de se olhar e buscar melhorar, tendo em mente que o erro acontece e vai acontecer, e, que bom, pois faz parte do crescimento. Ainda, em seu livro, Ruth diz “tenhamos em mente que, para aqueles que querem preservar o status quo, é muito mais interessante que nós, mulheres, estejamos desunidas, e nada conveniente que sejamos fortes e demos suporte umas à outras”.

Ser quem queremos ser é inegociável, libertador e exige sim coragem.